Pesquisar
Close this search box.
Patrocinado
MERCADO

Conteúdo

Liderança feminina precisa ser tema fixo nas organizações

feedfood

Valeria Campos, da redação

valeria@ciasullieditores.com.br

Quando o assunto é liderança feminina, na leitura de Sandra Barioni Toma, diretora-executiva P&D e Assuntos Regulatórios Latam da Vaxxinova, é essencial que esse debate seja um tema fixo dentro das organizações. E não só isso: é preciso que sejam criadas ações concretas de avanço nas esferas da igualdade, equidade e inclusão para a construção de negócios mais sustentáveis.

Os caminhos para isso acontecer são inúmeros, e na visão da executiva as iniciativas genuínas sob a ótica humana, social, ambiental e econômica, e a propagação desse discurso em todas as áreas da empresa são um ponto de partida para transformar o discurso em realidade.

“É importante a disseminação da temática pela sua abrangência, impacto na sociedade e geração de resultados e valor, afim de que os colaboradores e gestores estejam na mesma página sobre o assunto, colaborando nas ações de melhoria contínua dos indicadores ESG”, realça.

E como exemplo desse contexto na prática, Sandra reforça a cultura organizacional da Vaxxinova: “Aqui tratamos esse assunto abertamente. Temos os pilares ESG avaliados em nossa pesquisa de clima anual, com estabelecimento de ações em todas as equipes”.

Na empresa desde 2018, a executiva entrou na companhia poucos meses após a aquisição do laboratório Biovet pela Vaxxinova, um momento de transição e de incertezas do “velho” pelo “novo”: “Mas, como uma diretoria bastante unida e engajada, conseguimos avançar neste momento para que a transição fosse a menos traumática possível”, compartilha.

Durante sua jornada, foram diversos os desafios, conta, para estruturar a equipe e novos processos, e transformar a área de P&D e Assuntos Regulatórios. Sem contar as diversas experiências e aprendizados como a participação do novo posicionamento de marca Vaxxinova para animais de produção e a marca Biovet para animais de companhia.

Dessa trajetória, muitos frutos foram colhidos, e Sandra acredita que existe um ponto alto da gestão que transformou as ações em resultados. Para ela, as metas e objetivos muito claros e alinhados ao negócio fizeram toda diferença: “Fizemos isso no passo a passo, com muito trabalho e confiança, e com o cascateamento claro, transparente e apoiador para que cada colaborador cumprisse e doasse o seu melhor”.

Os avanços na pauta de igualdade

Em especial no setor agro, Sandra comenta que quando iniciou a carreira era bastante raro um destaque feminino na atividade, mas hoje essa realidade mudou: “Atualmente, consigo identificar profissionais que chegaram lá e vejo esse movimento ser crescente, seja no meio público ou privado”.

Desta forma, aquilo que era visto como fragilidade, as organizações estão reconhecendo como um talento para lidar de maneira mais equalizada e leve na trajetória profissional.

 “Sendo assim, estar pronta é essencial; pronta no sentido amplo da qualificação, formação, mas, em especial, estar pronta emocionalmente e inspirada em outros casos de sucesso”, diz.

Para Sandra, as mulheres não precisam ter medo de manter a sensibilidade em detrimento de parecer fraca. E, além disso, completa, unir-se também a outras mulheres, sem sentir que isso é um movimento “feminista” e, sim, apenas uma aliança que fortalece e abre caminhos para um futuro ainda mais igualitário.

Patrocinado
Patrocinado