in ,

Janeiro marca enfraquecimento nas compras de carne suína

O início do ano apresentou baixa procura pelo produto no mercado interno e externo

foto: reprodução

Em um período instável para o setor de suinocultura, o início de 2022 apresentou baixas vendas internas e externas. De acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada  (Cepea), no front externo, parceiros importantes para o giro comercial estão reduzindo seus pedidos ou até mesmo congelando as compras, como é o caso da Rússia. O País, em decorrência do inverno, limita a entrada de cargas.

Já no caso da China, o Centro de Estudos explica que “o país costuma adquirir maiores volumes no encerramento do ano em detrimento de janeiro, visando ter maior estoques para a comemoração do Ano Novo Chinês”.

Perante o mercado interno brasileiro, há também quedas nas vendas. Segundo o Cepea, a baixa procura e consumo do alimento é devido ao menor poder de compra da população, o que pressiona as cotações do animal vivo e da carne ao longo do mês. Além disso, o grande volume do produto disponível reforça o movimento de enfraquecimento no preço interno.

Fonte: Cepea, adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

Suinocultura deve encerrar ano com bons números

Avicultura se mostra robusta em produção, exportação e consumo

FAESP comemora fim de embargo chinês à carne bovina

lavouras

Aplicativo ‘Monita Oeste’ auxilia lavouras

crescimento de exportação de ovos

Congresso de Ovos contará com curso sobre GTA