in

Internet tem impacto nas cadeias produtivas do agro

José Zeferino Pedrozo é presidente da FAESC e do SENAR/SC

Internet

É notório que Governo e sociedade trabalham há décadas para elevar a qualidade de vida no campo. Essa é uma questão que ganhou prioridade por várias razões, entre elas, a crescente importância do setor primário e do agronegócio para a economia brasileira. O crescimento da produção agropecuária, a expansão da agroindústria, a conquista de mercados mundiais e o protagonismo nas exportações deram ao universo rural a importância que sempre mereceu.

Conforto, bem-estar e segurança para a família, empresários, produtores e trabalhadores rurais tornou-se ponto central nas políticas de apoio ao setor. Estradas, escolas, postos de saúde, energia elétrica e programas de formação profissional rural tornaram-se investimentos essenciais e imprescindíveis para as comunidades, contribuindo assim para evitar o êxodo.

Uma nova exigência desses tempos de conectividade total e de transformação digital é a internet no campo. Já destacamos aqui que o sucesso no campo é orientado pela ciência. Os resultados obtidos em melhoria da sanidade e no aumento da produtividade, da produção e da qualidade nas áreas da agricultura, da pecuária, da piscicultura, da silvicultura e do extrativismo, entre outros, são integralmente devidos ao emprego de tecnologia.

Todas as ferramentas digitais e as tecnologias disponíveis são acessadas pela internet. Nesses tempos de pandemia, onde todas as ações educativas e instrucionais ocorrem de forma remota, ganha mais importância ainda a reivindicação por internet de qualidade no campo.

Esse anseio do campo ganhou um forte aliado. O secretário Altair Silva, da pasta da Agricultura, Pesca e Desenvolvimento Rural, com aval do governador Carlos Moisés, acaba de apresentar à Assembleia Legislativa um criativo projeto de lei que viabiliza a instalação de redes de fibra ótica para levar serviços de internet com qualidade para o campo.

O projeto de lei autoriza as concessionárias ou permissionárias de distribuição de energia elétrica a compartilharem sua infraestrutura para a passagem de cabos do serviço de telecomunicação nas áreas rurais, sem nenhum custo. A vantagem é que as empresas de telecomunicações não terão que pagar tarifas ou taxas para a utilização desses postes. Em contrapartida, as concessionárias de distribuição de energia elétrica poderão utilizar os serviços de internet gratuitamente. Como se sabe, o aluguel dos postes é um dos maiores impeditivos para a instalação de fibra ótica no Interior.

Os cabos de internet passarão nas principais estradas rurais de Santa Catarina e após a instalação da estrutura de fibra ótica nas estradas rurais, os agricultores contarão com o apoio da Secretaria para fazer a conexão com suas propriedades.

Além dessa importante inovação, o Governo Catarinense disponibilizará recursos para viabilizar a conectividade ao meio rural, com investimentos para viabilizar a instalação nos municípios. A expectativa é de que sejam destinados R$ 50 milhões para atender mais de 20 municípios. Por outro lado, o Fundo de Desenvolvimento Rural (FDR) oferecerá uma linha de crédito especial, com financiamentos sem juros, para que os agricultores conectem suas propriedades à infraestrutura de fibra ótica do município. A conectividade, inclusive, será uma das linhas atendidas pelo novo programa SC Rural, que está sendo negociado junto ao Banco Mundial.

Como se vê, é um projeto integral, pois a questão foi pensada por inteiro. Esse avanço constitui-se em grande conquista para os jovens que vivem e trabalham no meio rural: eles passarão a ter acesso a todos os produtos educacionais, culturais e recreativos ancorados na internet. O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/SC) utilizará essa estrutura para intensificar a capacitação on-line dos produtores.

A revolução do conhecimento que a indústria e demais setores da economia absorveram chegará ao campo de forma mais célere pela internet. Será cada vez mais frequente, no futuro próximo, o uso da inteligência artificial, do BigData (estuda como tratar, analisar e organizar informações), das impressões 3D, da internet das coisas (uso de sensores para colher dados), blockchain (permite rastrear o envio e recebimento de dados pela internet), automação parcial, identificação e controle por radiofrequência (RFID), realidade aumentada, visão computacional etc. É notório que o emprego articulado dessas tecnologias tem impacto transformador nas cadeias produtivas. Mas tudo isso depende da internet.

Assim, fica patente que internet de boa qualidade é uma condição sine qua non para o desenvolvimento das regiões agrícolas, sem a qual não terá acesso ao conhecimento científico – seja na forma de tecnologia ou de cursos de capacitação.

Fonte: José Zeferino Pedrozo, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de SC (FAESC) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR/SC).

LEIA TAMBÉM:

Contínua valorização do milho afeta pecuaristas

SP realiza Fórum sobre retirada da vacinação contra Febre Aftosa

ovo

Em território paulista, preço do ovo apresenta novo recuo

Topigs Norsvin oferta animal com alta conversão alimentar