in

Instituto de Pesca fomenta projeto Ciência na Prática

IP ajuda a tornar o conhecimento científico mais presente no cotidiano dos estudantes motivando o aprendizado em Ciências

O Instituto de Pesca (IP-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, que este ano completou 53 anos de existência – primeira instituição de pesquisa do Brasil voltada aos estudos de ecossistemas aquáticos e à biologia de organismos marinhos e continentais -, desenvolve pesquisas voltadas às áreas de Pesca, Aquicultura e Meio Ambiente. Dentre suas ações estão também os projetos educacionais, como o Ciência na Prática: aplicabilidade e importância do ensino de Ciências por investigação, para alunos do novo Ensino Médio da Rede Estadual paulista. 

O projeto – coordenado pelo professor Yuri Keller Martins, Mestre em Pesca e Aquicultura, pela pós-graduação do Instituto de Pesca -, é uma parceria entre o IP, a Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM) e a Escola Estadual Maestro Fabiano Lozano, localizada na Vila Mariana. Tem como objetivo oferecer aos estudantes do Ensino Médio a vivência no pensamento científico, por meio de uma metodologia baseada em experiências práticas científicas, alinhadas aos componentes curriculares das áreas de Ciências da Natureza (Física, Química e Biologia). 

O lago do parque da Aclimação pertence à Bacia do Córrego da Aclimação. A área total da bacia até a barragem do lago da Aclimação é de aproximadamente, 2,24 Km2. No local ocorre o encontro dos córregos Aclimação e Jurubatuba. O projeto prevê o estudo das características químicas, físicas e biológicas da água do lago, com coletas realizadas pelos estudantes sob orientação dos professores e pesquisadores do IP e da UPM, e as análises do material coletado serão feitas nos laboratórios das instituições parceiras com acompanhamento dos estudantes em visitas programadas. 

Mensalmente, uma turma do primeiro ano do Ensino Médio é acompanhada pelo coordenador do projeto, pesquisadores do Instituto, alunos da UPM e professores da Escola, e têm a oportunidade de conhecer e utilizar equipamentos específicos para a coleta e análise de água do lago, além de aprender e tirar dúvidas com especialistas sobre recursos hídricos, ecologia e métodos científicos; aprofundando, assim, os estudos teóricos que têm em sala de aula. O projeto tem duração de 12 meses, com visitas mensais ao Lago da Aclimação. 

Trata-se de uma pesquisa empírica com a finalidade de demonstrar como a ciência é desenvolvida na prática. “Os alunos da escola vão em visita ao lago, acompanham uma coleta de água onde se explica os conceitos de ecologia in loco para depois estudarem os conceitos de ecologia aquática na teoria”, afirma a pesquisadora Cacilda Thais Janson Mercante, responsável pelo projeto no IP. 

No dia 10 de maio, 30 estudantes da Escola e 20 universitários da UPM, do curso de Ciências Biológicas, participaram da atividade. O encontro teve início com a apresentação dos equipamentos de coleta de análise de água, permitindo que os estudantes pudessem tocá-los e manuseá-los. “É muito satisfatório passar um pouco do meu conhecimento para os alunos de graduação. Ainda mais do primeiro ano do colegial”, destacou o auxiliar de apoio à pesquisa científica e tecnológica Luiz Claudio dos Santos Evangelista. 

Na sequência, acompanhados pelos professores e servidores do IP, os alunos dirigiram-se para uma área próxima ao lago, onde puderam realizar atividades práticas de coleta da água do lago e medição de profundidade, entre outras. Por fim, todos foram para a margem do lago, a fim de realizarem novas atividades com outros equipamentos relacionados à pesquisa de análise física e química da água. 

Cacilda Thais afirma que a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) já publicou um edital no qual incentiva o convênio entre a Secretaria de Educação e os Institutos de Pesquisa, com o objetivo de aprimorar o conheci mento dos professores das escolas públicas. “Trata-se de uma experiência exitosa que pode ser replicada tanto nas demais séries do Ensino Médio quanto em outros colégios do Estado. Os alunos que participam do projeto ficam muito mais motivados ao aprender na prática os conceitos da ciência”, afirma a pesquisadora. 

Fonte: A.I, adaptado pela equipe feed&food. 

LEIA TAMBÉM:

MAPA aponta dicas para compra de pescados

Agro brasileiro amplia exportações durante mês de março

13⁰ Simpósio Técnico da ACAV anuncia nova data

Agropecuária: BRF reduz emissão de CO2 em frota

TecnoBeef anuncia chegada de Pedro Terencio