in

Indústria 4.0 se torna realidade no campo

Conceito completa, em 2021, dez anos. Entenda:

Em 2021, completam-se dez anos do conceito de Indústria 4.0 – a Quarta Revolução Industrial. O termo, que surgiu pela primeira vez em 2011 na feira de Hannover na Alemanha, caracteriza a digitalização das atividades industriais e a integração de diversas tecnologias, tais como internet das coisas (IoT), computação em nuvem, big data, inteligência artificial e robótica avançada, a fim de tornar os processos ainda mais eficientes, flexíveis e autônomos.

No agronegócio, a transformação digital já é uma realidade tanto no campo como nas indústrias de maquinário. A AGCO alinha-se a este forte movimento por meio de sua visão de ser Parceiro de confiança e líder em soluções inteligentes para o setor agrícola, com um processo autoguiado, desde a matéria-prima até o cliente final.

Existem cinco dimensões fundamentais a serem desenvolvidas para a evolução do negócio em direção à Indústria 4.0 – também conhecidos como os 5 Smarts. No coração da Indústria 4.0 está o Smart Manufacturing, conjunto de tecnologias digitais avançadas aplicadas ao chão de fábrica que, com integração e conexão em tempo real, permitem ganhos significativos de eficiência e de produtividade. A AGCO conta com soluções de ponta para coleta, monitoramento, controle e otimização de dados industriais, armazenados em nuvem, promovendo maior agilidade e assertividade na tomada de decisões estratégicas do negócio.

Ainda dentro de Smart Manufacturing, a companhia possui tecnologias autônomas para transporte de materiais, como os veículos auto-guiados (AGV’s) e robôs colaborativos (Cobots), que atuam lado a lado com os colaboradores de forma segura e sinérgica. Tecnologias alternativas de fabricação, tais como a Manufatura Aditiva (Impressão 3D), também vem ganhando espaço no segmento, tanto na produção de ferramentas e dispositivos para processo, como na impressão de peças finais para tratores e produtos das demais categorias.

A segunda dimensão da Indústria 4.0 é o Smart Working, englobando as ferramentas que integram os trabalhadores aos ambientes digitais. Óculos Inteligentes e outros smart devices passam a substituir o lápis e o papel na execução de tarefas rotineiras, como inspeções e checklists. Os treinamentos e as instruções de trabalho em ambientes de realidade virtual e aumentada tornam a capacitação dos colaboradores ainda mais robusta. Ferramentas de simulação de processos possibilitam a construção dos “gêmeos digitais” e a realização de estudos, testes e otimizações em ambientes virtuais, alimentados pelos dados do mundo real. Além disso, o trabalho inteligente quebra barreiras físicas antes existentes, promovendo a integração entre funcionários e fluxos de trabalho, independentemente de localização.

O Smart Supply Chain, terceira dimensão, contempla a integração horizontal e conexão digital entre produtores, fabricantes, distribuidores, comerciantes e clientes finais, por meio de tecnologias logísticas de monitoramento e rastreamento e de serviços de atendimento, desde a matéria-prima que é destinada à fábrica, até o produto final a caminho do consumidor.

A quarta dimensão trata do Smart Product-Service Systems, modelo inteligente de negócio que oferece soluções integradas de produtos e serviços, de forma a maximizar a satisfação dos clientes em suas experiências. Atualmente, o portfólio da AGCO vai além das suas máquinas agrícolas de alta performance: com o Precision Planting e a plataforma Fuse®, oferecemos aos agricultores soluções de alta tecnologia para que alcancem novos patamares de produtividade e eficiência, ao mesmo tempo em que preservam recursos para as próximas gerações, desde as etapas de plantio e cultivo, até a colheita e armazenamento.

Em se tratando de preservação de recursos, entramos na quinta e última dimensão: Smart Consumption, que abrange as formas responsáveis de consumo num mundo cada vez mais atento à sustentabilidade e voltado à economia circular, baseada na redução de desperdícios ao longo de todo o ciclo de vida dos produtos, e nas práticas de reduzir, reutilizar, reciclar e compartilhar.

Em suma, aquilo que há dez anos surgia como um novo conceito, hoje é parte fundamental da estratégia de empresas que buscam resultados positivos e destaque em seus campos de atuação no curto, médio e longo prazo. No agronegócio, não poderia ser diferente: a AGCO está comprometida com a transformação digital ao longo de todo o ciclo de suas operações, desde as interfaces com seus fornecedores, aos processos fabris, até as relações com as concessionárias e clientes finais. A jornada em direção à Indústria 4.0 é extremamente desafiadora e dinâmica, à medida em que novas soluções e tecnologias surgem para alavancar cada uma de suas dimensões fundamentais. Que sigamos neste caminho para que a próxima década seja ainda mais transformadora!

Fonte: Pedro Hilzendeger é engenheiro de processos de Smart Manufacturing na AGCO América do Sul. Graduado em engenharia química pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e pós-graduando em Indústria 4.0 e Transformação Digital pelo Departamento de Engenharia de Produção da UFRGS.

LEIA TAMBÉM:

Contínua valorização do milho afeta pecuaristas

Ourofino abre inscrições para programa de estágio

SP realiza Fórum sobre retirada da vacinação contra Febre Aftosa

notebook

Congresso Brasileiro do Agronegócio abre inscrições

Workshop abordará Inovações Financeiras no Agronegócio