Patrocinado
ARTIGO

Conteúdo

Granjas avícolas devem estar preparadas para altas temperaturas

José Luis Januário é especialista em Frangos de Corte e Ambiência da Cobb-Vantress na América do Sul
feedfood
FOTO: REPRODUÇÃO

 
As mudanças tecnológicas e climáticas são constantes e a todo momento escutamos sobre isso. Temos visto notícias de calor extremo, secas e incêndios florestais por conta disso. Quais seriam as influências destas mudanças climáticas, altas amplitudes de temperatura e umidade muitas vezes diárias nas estações e as correlações com o manejo de alimentação, de ingestão de água, de estresse calórico, da ventilação e do conforto ambiental para as aves? Como preparar as nossas estruturas e ajustar manejos para mitigar as consequências e os efeitos do estresse calórico que a as aves podem sofrer é o tema deste artigo.  

Fatores genéticos, necessidades das aves e sua relação com as mudanças climáticas  

As linhas genéticas de aves são selecionadas para desempenho zootécnico cada vez mais eficiente e produtivo, mas exigem melhores condições e conforto térmico nos aviários. Também em matrizes em fase de produção as temperaturas altas interferem na performance, mesmo com a geração de calor menor que um frango de corte. Mas, em situação de estresse por calor, as aves vão direcionar a energia para a perda de calor corporal e nutrientes importantes deixam de ser absorvidos e usados para produção de ovos resultando em queda da produtividade das aves, da fertilidade e da eclosão. 

Figuras 1 e 2 – Trabalho comparando aves controle com aves estressadas por calor, diferenças em produção e fertilidade.  

A água como ingrediente e a relação de consumo X condições ambientais 

A água é o ingrediente principal na dieta diária e o consumo pode ser alterado na medida em que a temperatura ambiente aumenta. Muitas vezes este consumo pode dobrar ou triplicar. Uma das maneiras mais efetivas de as aves perderem calor é aumentar a taxa respiratória, fazendo com que o sistema respiratório ajude na perda de calor corpóreo. Porém, para manter o equilíbrio as aves ingerem maior quantidade de água. 

Figure 2. Water consumption in a tunnel ventilated broiler house.

Veja um trabalho com frangos de corte, adaptado pela Cobb, mostrando a relação de consumo de água em frangos de corte de acordo com as diferentes temperaturas de manejo.

 
 
E outra relação mostrando como é importante este ingrediente e sua dependência e resposta no comportamento de consumo das aves. 

Fonte:Kirk Patrick & Flaming (2008)

A performance de frangos de corte em galpões de ambiente mais controlado, com ventilação em túnel, mais isolamento com cortinas duplas, sistemas de resfriamento eficientes, entre outras melhorias, devem ser melhor desde que o manejo seja bem-feito e os controles sejam efetivos. E claro, minimizam os efeitos do calor e do aumento das temperaturas externas. Isto é uma contante e cada vez mais comum de encontrar em novas construções até galpões cada vez melhores com material isolante no forro 
 
 


 
 Trabalho de Oliveira, 2016. Diferença entre galpão convencional e túnel de ventilação em sistema dark house

Materiais construtivos de aviários, isolamento, ventilação para as trocas de ar 

O isolamento térmico do forro com diferentes métodos é essencial para o bom funcionamento de galpões avícolas, o que minimiza o ganho de calor no verão e a perda de calor no inverno. Há diversos tipos de materiais utilizados para o isolamento térmico em galpões, como forros de plásticos, plástico com alumínio, celulose e materiais mais novos, como fibra de vidro e lã de rocha, poliuretano, poliestireno expandido, entre outros.          

A capacidade isolante dos diferentes tipos de materiais é medida segundo um coeficiente de troca térmica entre superfícies, o valor-R; quanto mais alto é o valor-R, maiores são as propriedades isolantes do material. O calor que vem do telhado é a segunda maior fonte de calor aos aviários. Estudos mostram que telhados de metal ou telhas de fibrocimento podem chegar a irradiar um calor de 65 a 70o C.

32-vent-22,000 pf

A maior geração de calor no aviário: as aves 

A principal fonte de calor em um galpão avícola são as próprias aves. Quanto maior a ave, maior a produção de calor. Um frango produz cerca de cinco BTU´s de calor por hora para cada 450 gramas de peso vivo. Assim, uma ave de 2.700 gramas produz 30 BTU’s de calor por hora. Se considerarmos um galpão com 20 000 aves, temos um total de 600.000 BTU´s por hora. E isso apenas considerando a produção de calor sensível (calor por condução, irradiação e convecção). Se considerarmos um estresse calórico, as aves podem perder o dobro desta quantidade por evaporação da água através do sistema respiratório.  

Condições em regiões com galpões simples e antigos 

Em muitas regiões, os galpões avícolas são bastante simples e antigos. Nestes casos, se usa o plantio de árvores ou a instalação de telas para sombrear as laterais. Essas medidas simples podem propiciar melhores condições ambientais para as aves.

C:\Users\luisjo\Documents\assistencia tecnica 2017\Fotos iphone 07-06-2017\DCIM\101APPLE\IMG_1190.JPG

Velocidade de ar 

O melhor mecanismo de perda de calor sensível para as aves é a convecção, e ela é conseguida através do uso dos ventiladores e exaustores nas granjas. Em nossa concepção, aviários devem ter velocidades para trocar o ar de dentro para fora em torno de 37 segundos, ou seja, se tiverem entre 150 e 200 metros de comprimento, devem ter vento de 4 a 5 metros por segundo de velocidade de ar pelos exaustores. Já os aviários convencionais devem ter um ventilador para, no mínimo, 50 a 60 metros quadrados do aviário.  

Uso de refrigeração por placas evaporativas ou nebulizadores 


Usamos os sistemas de refrigeração para ajudar a baixar as temperaturas do ar que entra nos aviários. Este é o caso das placas evaporativas, bem mais eficientes por conta desta capacidade. Os nebulizadores também são equipamentos muito eficientes. Porém, o uso deles deve ser feito com muito critério e as dicas aqui a seguir, devem ser consideradas: 

– Sistemas de refrigeração via água só devem ser usados após temperaturas acima de 27,5°C, no mínimo. O ideal é acima de 28°C; 

– Para as aves jovens de primeira e segunda semanas, pintinhos em regiões quentes, quando a temperaturas vão acima de 36°C, podemos sim usar as placas ou nebulizadores. Mas, apenas depois de usar cerca de 0,5 a 1m/s de velocidade de ar com os ventiladores para tentar primeiro a convecção, e, logo em seguida, o resfriamento adiabático com a evaporação da água. Lembrem-se sempre que não queremos dar muito vento em cima das aves, por isso, usar a placa ou o nebulizador por apenas alguns segundos, cerca de 15 a 30 segundos;  

– Para as aves de idades intermediárias, terceira e quarta semana, onde o empenamento está se desenvolvendo, vale o mesmo critério de ligar as placas somente depois de cerca de 1,5 m/s de velocidade de vento e por um tempo de 30 a 45 segundos; 

– Para as aves adultas, empenadas, nas quinta, sexta e sétima semanas, os sistemas de refrigeração devem estar somente acima de 2,8 metros por segundo de velocidade de ar, quase todo sistema de exaustores ou ventiladores ligados, e podem usar as placas e os nebulizadores (sempre primeiro placa, depois nebulizadores). Podemos usar um tempo ligado de 1 a 2 minutos e um tempo desligado de 2 a 5 minutos para que as placas não sequem por completo. Chamamos este manejo de encharcar e desencharcar as placas durante o seu uso. 

Referências Consultadas: 

Guias de manejo de frangos e matrizes Cobb. 

House Management houses tips and papers publicado por UGA Poultry ventilation research team and partners. 

INMET- Instituto Nacional de Meteorologia – Brasil. 

NOAA- National Center of Environmental Informations. 

Asherae Handbook (Sociedade Americana de Aquecimento, Refrigeração e Condicionamento de Ar. Engenheiros).