in

FNF pontua orientações sobre vitaminas para ruminantes

Produtores devem buscar as melhores formas de oferecer, garantindo máxima saúde em menos tempo

FNF
REPRODUÇÃO

Nos últimos anos, o mercado produtor de bovinos reduziu a idade média para abate do gado. Se antes os animais viviam por cerca de cinco anos, hoje são abatidos mais jovens, com três anos ou aproximadamente trinta meses. Como consequência, o gado tende a precisar de mais atenção na sua dieta, pois é necessário que ocorra um crescimento saudável dos animais. Os pecuaristas, assim, devem buscar as melhores formas de oferecer vitaminas e nutrientes que garantam a máxima saúde em menos tempo.

De acordo com o médico-veterinário Alexandre Camargo Costa, Managing Partner Brasil da FNF Ingredients, as vitaminas A, D e E são as que mais precisam constar na dieta do gado.

“A vitamina E é antioxidante, o que combate o envelhecimento das células. Para os pecuaristas, é fundamental pois ajuda na melhora da qualidade da carne, e isso contribui para as exportações”, pontua.

Já a vitamina A, segundo o profissional, melhora a taxa de fecundidade, facilitando a reprodução dos animais, e a vitamina D propicia o sólido crescimento estrutural do ruminante, tornando-o mais vigoroso

Consumo de vitaminas – Apesar de estar em um momento positivo, a criação de bovinos ainda segue defasada no consumo de vitaminas quando comparada a outras espécies. “A expectativa é de que o avanço da tecnologia e da informação no campo auxilie os pecuaristas na elaboração da dieta dos animais. A exigência do mercado consumidor por produtos verdadeiramente nutritivos tornará necessária que a boa nutrição ocorra desde os momentos iniciais da criação dos bovinos”, observa.

Alexandre Camargo Costa ressalta, contudo, que é fundamental haver atenção para a qualidade das vitaminas e dos sais minerais. “Não basta constar na dieta, eles precisam ser absorvidos pelo metabolismo dos animais. Os sais minerais ajudam na síntese das vitaminas e mantém o corpo em um crescimento saudável. Se não houver qualidade e boa absorção, será um investimento perdido”.

O Managing Partner Brasil da FNF Ingredients alerta que, mesmo o gado que seja criado a pasto, a suplementação de vitaminas ainda se faz necessária. “Em alguns períodos do ano a pastagem pode ser afetada pelo clima e assim não ter a qualidade necessária para garantir plena nutrição dos animais”, afirma Alexandre Camargo Costa. Segundo o médico veterinário, enriquecer a dieta com vitaminas é a melhor forma de garantir o desenvolvimento saudável dos ruminantes.

A vantagem é que a suplementação é uma solução de ótimo custo-benefício. O investimento é baixo quando comparado ao retorno financeiro obtido pelo aumento da produtividade e pela comercialização de carne com maior qualidade. “O potencial genético é mais bem expressado por meio de uma boa nutrição. O próprio ser humano toma vitaminas para aumentar a imunidade e isso também ocorre com o animal”, finaliza Alexandre Camargo Costa.

Fonte: MAPA, adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

Tereza Cristina vai ao Canadá em busca de novas oportunidades

Preço do milho sobe quase 18% após conflito europeu

Debate sobre legislação encerra XIX Congresso de ovos

apoio

Instituições assinam acordo em apoio ao agro brasileiro

plantacao

Caravana FertBrasil visitará 48 polos durante o mês de abril