Patrocinado
AVICULTURA

Conteúdo

Exportação de ovos cresce 150% em 2023

Ao todo, foram embarcadas 16,6 mil toneladas entre janeiro e junho deste ano
feedfood

O relatório da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) apontou um crescimento de 150% nas exportações brasileiras de ovos (considerando produtos in natura e industrializados) no primeiro semestre de 2023, em relação ao ano passado. 

Ao todo, foram embarcadas 16,6 mil toneladas entre janeiro e junho deste ano, contra 6,6 mil toneladas no mesmo período de 2022. A receita gerada pelas exportações do semestre totalizou US$ 41,2 milhões, número 222,4% superior ao registrado nos seis primeiros meses de 2022, com US$ 12,8 milhões.

Somente no mês de junho, foram exportadas 4,6 mil toneladas de ovos do Brasil, volume 901,1% superior ao registrado em 2022, com 469 toneladas. Em receita, a alta é de 608,6% no período, com US$ 11,6 milhões no sexto mês deste ano, contra US$ 1,6 milhão no mesmo período do ano anterior.

De acordo com o presidente da ABPA, Ricardo Santin, este é o melhor semestre dos últimos dez anos, com a expectativa de alcançar um novo patamar nas exportações de ovos do Brasil em 2023 graças à média registrada nos últimos três meses, acima de 4 mil toneladas mensais. 

“Os volumes embarcados entre abril e junho estabeleceram o melhor trimestre já registrado pelo setor. Embora não cause impacto na oferta interna de ovos, já que representa menos de 1% da produção, as vendas internacionais se consolidaram como uma importante fonte de receita para as empresas do setor frente aos desafios gerados pelos custos de produção ao longo dos últimos tempos”, avalia Santin. 

Entre os principais destinos das exportações, o Japão aparece como principal importador, com 6,9 mil toneladas importadas entre janeiro e junho deste ano, resultado 1.304% superior ao registrado no mesmo período de 2022.  Logo em seguida aparece Taiwan, com 5,4 mil toneladas (no ano anterior, não houve embarque de produtos para o destino asiático). 

O diretor de Mercados, Luis Rua, declara que a recente suspensão do Japão aos produtos avícolas de Santa Catarina não deve gerar impactos às vendas de ovos do Brasil. “Em todo o primeiro semestre, menos de 0,2 toneladas do produto de Santa Catarina foram embarcadas para o destino asiático”, finaliza.

Fonte: ABPA, adaptado pela equipe FeedFood.

LEIA TAMBÉM:

Resiliência e força: Campanelli anuncia novo confinamento

Sucesso de público, evento da Unifrango surpreende organização

H5N1: delegação brasileira irá ao Japão no final de julho