in ,

Embarques de carne suína crescem 11,9%

O resultado é maior que o do ano passado, somando US$ 217,9 milhões

Embarques de carne suína crescem 11,9%
Reprodução

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) fez um levantamento sobre as exportações de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura e processados), alcançando, em outubro, 99,1 mil toneladas. O dado supera em 11,9% o desempenho registrado no décimo mês de 2020, quando foram exportadas 88,5 mil toneladas. 

Segundo a ABPA, o resultado é 9,3% maior que os US$ 199,4 milhões obtidos com os embarques no mesmo período do ano passado. O saldo em dólares das exportações de outubro chegou a US$ 217,9 milhões.

No acumulado do ano, as vendas de carne suína já se aproximam de 1 milhão de toneladas. Entre janeiro e outubro, foram embarcadas 967,9 mil toneladas, volume 13,4% maior que o registrado nos dez primeiros meses de 2020, com 853,4 mil toneladas. O saldo é significativamente positivo também na receita das exportações, chegando a US$ 2,279 bilhões, desempenho 21,5% maior que o efetuado entre janeiro e outubro do ano passado, com US$ 1,876 bilhões.

O presidente da ABPA, Ricardo Santin, explica que, “a média de embarques registrada até aqui no segundo semestre é histórica, acima de 100 mil toneladas, e projeta para o cumprimento da expectativa de um novo recorde de exportações de carne suína do Brasil, alcançando 1,1 milhão de toneladas”.

A China segue como principal destino das exportações de carne suína, com importação total de 481,9 mil toneladas entre janeiro e outubro, volume 13,9% superior ao registrado no mesmo período do ano passado. Outros destaques são o Chile, com 52,5 mil toneladas (+56,5%), Japão, com 11,3 mil toneladas (+19,1%) e EUA, com 9,7 mil toneladas (+43,4%). 

Para o diretor de mercados da ABPA, Luis Rua, “o status sanitário da produção brasileira de carne suína tem sido um diferencial competitivo no mercado internacional, colaborando para o suprimento em mercados cujas ofertas internas continuam sendo afetadas pela ocorrência de surtos de Peste Suína Africana (PSA). Mesmo com o aumento das exportações – que contribuem para a redução dos impactos dos custos de produção – a disponibilidade de carne suína para o consumidor brasileiro segue em linha com a maior demanda verificada pela carne suína em nosso país neste ano de 2021”.

Fonte: ABPA, adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

Preços dos ovos apresentam recuo em São Paulo

Médico veterinário alerta sobre mastites

Palestra da JINC aborda carne cultivada

Alerta sobre preços altos, ABPA sinaliza impacto para 2022

Alerta sobre preços altos: ABPA sinaliza impacto para 2022

Máscaras faciais são desenvolvidas à base de quitosana