in

Embalagens “case-ready” podem mitigar perdas no varejo

Tecnologias são uma boa forma de atender as novas demandas de consumo

Uma pesquisa da Planet Retail em parceria com a Sealed Air, aponta que cerca de 95% dos executivos e gerentes de supermercados pontuam o desperdício de alimentos como fator de grande atenção em suas operações. A questão operacional está entre um dos propulsores destas perdas.

A Associação Brasileira de Prevenção de Perdas (ABRAPPE) mostrou, por meio de pesquisa recente,que as principais razões das quebras estão relacionadas a danificações feitas pelos próprios clientes (23%), ao vencimento dos produtos (22%), a deterioração e perecibilidade (7%), a embalagens violadas (5%), dentre outros itens. Na categoria de produtos perecíveis, o vencimento é responsável por 41% do desperdício.

Alternativas para evitar as perdas

Uma alternativa eficiente para minimizar problemas como estes no setor de proteínas, por exemplo, está no uso de soluções de embalagens mais eficientes, como  sistemas a vácuo que já saem dos frigoríficos direto para as prateleiras dos varejos.

Essas embalagens, chamadas “case ready”,  aumentam o tempo de vida útil da carne embalada para até 90 dias, sem comprometer a qualidade do produto. Isto porque os sistemas a vácuo limitam o crescimento de agentes microbiológicos e permitem a maturação natural da carne.

O  Coordenador de Soluções para o Varejo da Sealed Air para América Latina, Leonardo Hirschmann, explica que, neste caso, o produto já vem porcionado e padronizado, com validade estendida, garantia de origem e otimiza a operação do varejo.

“A carne que já chega embalada e pronta para a exposição não necessita de manipulação adicional nas lojas, o que reforça ainda mais a nossa preocupação pela segurança alimentar, redução de perdas  e otimização de custos com mão de obra e material de embalagem (isopor e filme), aumentando a competitividade, principalmente no caso das lojas menores, como as de conveniência”, afirma o executivo.

Case de sucesso no segmento

A rede Hirota Food Supermercados possui 86 lojas na cidade de São Paulo, sendo metade delas instaladas em condomínios, em espaços de 18m². A empresa trabalha para trazer ao seu mix de produtos opções que atendam a demanda por conveniência e segurança alimentar, ao mesmo tempo em que oferece qualidade com maior shelf life, apoiando assim, a redução de perdas e favorecendo a sustentabilidade da operação.

“Hoje em dia, com a expansão das lojas menores, principalmente aquelas que estão dentro dos condomínios, as embalagens case ready são fundamentais para possibilitar a oferta de proteínas de qualidade. Sem elas não seria possível comercializar carnes nestas lojas, o desperdício seria altíssimo. São lojas que contam com número reduzido de profissionais para reabastecimento. Por esta razão, buscamos produtos que otimizam mão de obra e espaço, e ainda reduzem os índices de perdas, fator que faz parte da nossa estratégia em busca de operações mais sustentáveis”, explica o Diretor de Operações da Rede Hirota Food, Hélio Freddi.

O executivo destaca, também, que o varejo de conveniência tem encontrado um novo perfil de consumidores cada vez mais exigentes. “Percebemos que as novas gerações estão muito bem preparadas para o consumo. A decisão de compra vai além da análise do preço, eles estão atentos à aparência, querem saber procedência, como o produto foi preparado e seu impacto no meio ambiente. Por esta razão, entendemos a necessidade de embalagens eficientes, que tragam transparência e garantam atratividade para atender este novo perfil de consumo e gerar uma ótima experiência, principalmente quando se trata de produtos mais nobres, que exigem uma apresentação diferenciada”, explica Hélio.

De olho nas novas demandas

Outra categoria que também depende de embalagens seguras e convenientes é o E-commerce.  Na rede Hirota, cerca de 15% das vendas hoje são referentes ao varejo eletrônico e há expectativa de crescimento.  “Para avançar nesta operação, estruturas favoráveis de proteção para produtos frescos, como carnes, são extremamente necessárias”, afirma Hélio.

O executivo da Sealed Air complementa e explica que os benefícios das embalagens “case ready” favorecem a operação de delivery para supermercados, principalmente se estiver em conjunto com soluções eficientes de embalagens secundárias. “O e-commerce de alimentos depende totalmente de correta proteção para garantir uma boa experiência ao consumidor — tanto das embalagens primárias, que auxiliam na redução de desperdício de alimentos; como nos sistemas de proteção secundários para controlar temperatura e proteger os itens contra avarias durante o trajeto”, finaliza.

Fonte: A.I., adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

ACCS tem sua primeira mulher presidente

Embrapa lança plataforma on-line com foco na aquicultura

Adesão de pescado no Brasil exige apoio governamental e profissionalização do setor

Consumo de ração para fêmeas em lactação pode ser um desafio