in

Elanco apoia lançamento do Instituto Agroambiental Araguaia

Parceria com o movimento integrará as demais ações da empresa em prol da sustentabilidade

A Elanco Saúde Animal, segunda maior empresa do setor em todo o mundo e terceira no Brasil, é uma das principais apoiadoras do Instituto Agroambiental Araguaia, novo braço da Liga do Araguaia, lançado no dia 29 de abril, em debate virtual com a presença do ex-ministro e indicado ao Prêmio Nobel da Paz, Alysson Paolinelli, o escritor Jorge Caldeira e o pecuarista Caio Penido.

O Instituto é um movimento de pecuaristas do médio Vale do Araguaia Mato-grossense, que incentiva a adoção de práticas de pecuária sustentável na região. “A Elanco Saúde Animal atua fortemente nesta e em outras regiões do Brasil, apoiando os produtores pecuaristas que empregam soluções e práticas de gestão sustentáveis no campo, do ponto de vista ambiental e socioeconômico. O Instituto Agroambiental Araguaia tem, portanto, muita sinergia com a nossa missão e nossos valores”, diz Danielle Modena, Gerente Sênior de Assuntos Corporativos da Elanco Brasil.

De acordo com José Carlos Pedreira de Freitas, Coordenador Executivo do Instituto, o maior objetivo da iniciativa é agregar à dimensão do agro brasileiro a sua dimensão ambiental, no exercício diário do entendimento de que ambos estão totalmente conectados, trocando benefícios entre si, criando valor e vantagens competitivas.

Mais sustentável

Para a Elanco Saúde Animal, que há mais de 60 anos compartilha desta mesma visão, a parceria com o movimento integrará as demais ações da empresa em prol dos compromissos acertados para 2030 e alinhados com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU, dos quais fazem parte remover ao menos 21 milhões de toneladas de emissões de poluentes e garantir que mais 57 milhões de pessoas em todo o mundo tenham acesso à proteína de qualidade e nutritiva.

“Nossos objetivos, assim como os do Instituto e dos nossos clientes, perseguem a produtividade sustentável no campo, respeitando o meio ambiente e considerando também o potencial econômico do produtor. Para isso investimos em tecnologias capazes de aumentar a produtividade da fazenda e, ao mesmo tempo, reduzir a pegada hídrica e emissões de gases nocivos ao meio ambiente. Acreditamos que um planeta mais limpo e sustentável passa necessariamente por animais e pessoas mais saudáveis”, completa Modena.  

Fonte: A.I.

LEIA TAMBÉM:

Contínua valorização do milho afeta pecuaristas

Ourofino abre inscrições para programa de estágio

SP realiza Fórum sobre retirada da vacinação contra Febre Aftosa

Cargill apresenta resultados do Benchmarking de Confinamento

BRF abre inscrições para programa de estágio