Pesquisar
Close this search box.
Patrocinado
ARTIGO

Conteúdo

Continuidade do conflito entre Rússia e Ucrânia impacta Brasil?

Aniela Carrara é pesquisadora da área de macroeconomia do Cepea
feedfood
CEPEA

Transcorrido mais de um ano do início da guerra entre a Rússia e Ucrânia, é possível analisar com mais clareza os impactos concretos de tal conflito sobre os preços internacionais das commodities e as eventuais implicações para o nível geral de preços do Brasil.

Conforme indica a Figura 1, os índices de preços internacionais das commodities calculados pelo FMI (Fundo Monetário Internacional) materializaram, a partir de fevereiro de 2022, o início do conflito, com tendência importante de elevação, principalmente nos índices que mensuram os preços dos fertilizantes e das commodities energéticas (como o petróleo), muito por conta da surpresa com a deflagração da guerra.

Nos meses seguintes, as expectativas gerais sobre o conflito foram se acomodando. Então, o mercado foi “precificando” tal evento, e, em meados de julho, pelo menos os índices dos preços das commodities agrícolas e das relacionadas a alimentação e bebidas, que se movimentam praticamente juntas, já tinham retornado ao patamar pré-invasão – que, ressalta-se, ainda é maior que o nível de preços pré-pandemia, conforme aponta a Figura 1.

Figura 1. Índices de preços internacionais das commodities – Fonte: FMI.

A partir de outubro de 2022, também se verifica o retorno dos índices de preço geral (agregado) das commodities e dos produtos básicos energéticos a um patamar próximo ao que se tinha antes do início do conflito. A série que parece mais resistente a dissipar os choques iniciais é a que mensura o preço dos fertilizantes. No entanto, até mesmo essa série já não apresenta os valores extremos verificados entre abril e maio de 2022.

Logo, de modo geral, ao se observar o comportamento dos principais preços internacionais das commodities, é possível dizer que, apesar do efeito inicial materializado na forte alta dos preços, a extensão do conflito até os dias atuais não tem significado, pelo menos até o momento, a manutenção dos preços em patamares extremamente elevados, principalmente se comparado aos do período pré-conflito – muito por conta de iniciativas que buscaram minorar os efeitos negativos na circulação de produtos básicos, como grãos, os quais os países envolvidos na guerra são relevantes produtores e exportadores. Um bom exemplo é o acordo de exportação de grãos da Ucrânia para o Mar Negro, firmado pelas Nações Unidas e pela Turquia em julho de 2022, de modo a permitir as vendas externas de grãos ucranianos. Essa iniciativa era prevista para ser encerrada em 18 de março de 2023, mas foi renovada para até 18 de maio deste ano.

Trazendo a análise do período para o Brasil, ao verificar o nível geral de preços, tem-se que, ao longo de 2022, principalmente em março e abril, os grupos do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) “alimentação e bebidas” e “transportes” apresentaram movimentação importante (Figura 2), o que, em partes, pode ser creditada às oscilações dos preços internacionais das commodities citadas anteriormente. Neste ponto, os fertilizantes merecem destaque, uma vez que seu preço elevado encareceu a produção agrícola nacional, já que o País depende da importação desse insumo. Estas movimentações incidiram diretamente sobre o grupo dos preços dos alimentos. Já o grupo que congrega os preços dos transportes foi afetado pelo valor do petróleo, tendo em vista que o Brasil utiliza a política da paridade de preços internacionais, que faz com que os valores internos acompanhem os externos, que, por sua vez, também subiram no período em questão.

Como reflexo do que aconteceu com os preços internacionais das commodities, com o passar dos períodos, os efeitos da guerra entre a Rússia e a Ucrânia parecem bem menos relevantes, e medidas internas, como a desoneração dos combustíveis, cujos efeitos podem ser visualizados a partir de julho de 2022, acrescidas às demais questões nacionais, parecem ser os maiores motivadores das variações observadas na Figura 2. Por óbvio, os efeitos já provocados pelo conflito e sua transmissão aos preços, tanto para o produtor quanto para o consumidor, não podem ser desprezados. Porém, o que se pretende com esta análise é ressaltar que tais efeitos não se mantiveram com o mesmo vigor inicial, mesmo com o prolongamento do confronto.

Figura 2. Variação mensal dos grupos do IPCA – Fonte: IBGE.

Assim, pode-se dizer que, em se tratando dos preços das commodities, tanto no plano internacional quanto no que se refere aos seus reflexos para o nível geral de preços da economia brasileira, o conflito entre a Rússia e a Ucrânia parece não mais ser um elemento de grande influência, claro que mantendo as condições que têm se apresentado nos últimos períodos. O que o futuro reserva para o desenrolar de tal embate pode, em maior ou menor grau, voltar a impactar de modo proeminente os preços das commodities, mas estas são cenas para os próximos capítulos, ou melhor, para as próximas análises.

Referências

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. . Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 2023. Sistema IBGE de Recuperação Automática – SIDRA. 2022a. Disponível em:< https://sidra.ibge.gov.br/tabela/7060>.

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL -FMI. Commodity prices. Disponível em: https://www.imf.org/en/Research/commodity-prices

Patrocinado
Patrocinado