in

Congresso reunirá cadeia do pescado

III International Fish Congress & Fish Expo ocorrerá nos dias 24, 25 e 26 de novembro

REPRODUÇÃO

Os alimentos vindos do mar podem dar uma contribuição muito mais efetiva para alimentar a população do planeta, mas esse desafio passa por avanços tecnológicos, governança e uma regulação adequada da maricultura. O tema está na pauta do III International Fish Congress & Fish Expo, dias 24, 25 e 26 de novembro, em Foz do Iguaçu (PR). O principal evento do setor de pescado no Brasil tem como pontos centrais o conhecimento científico e a dinamização econômica.

 A jornalista Eliana Panty, empresária e diretora executiva do IFC 2021, acompanha há duas décadas a produção de proteína animal no Brasil e no mundo. Nessa entrevista, faz uma ampla análise do setor.

O que falta para o incremento da produção de pescados no Brasil e no mundo?

Panty – Expandir substancialmente a produção de alimentos vindos da água tem benefícios e compensações, mas exigirá governança nacional e inter-regional, bem como capacidade local para garantir equidade e sustentabilidade. O acesso às tecnologias precisa ser impulsionado por políticas públicas e ambiente seguro para produzir. Não podemos fechar os olhos para as mudanças climáticas que vão desafiar ainda mais a segurança alimentar. Contra o que não temos controle a tecnologia será a grande aliada! Na pesca ou produção marinha, as curvas de suprimento sustentável estimado sugerem possibilidades substanciais para a expansão futura, tanto na pesca selvagem quanto na maricultura, mostram os estudos mais recentes da FAO. O potencial de aumento da produção global da pesca selvagem depende da manutenção das populações de peixes perto de seus níveis mais produtivos. Para estoques subutilizados, isso exigirá a expansão dos mercados existentes. Para os estoques sobreexplorados, isso exigirá a adoção ou melhoria de práticas de manejo que evitem a sobrepesca e permitam a reconstrução dos estoques esgotados.  Assuntos que tem ganhado relevância com a gestão pesqueira e discussões conduzidas pelo excelente Secretário Jorge Seif com o apoio do Ministério da Agricultura e Governo Federal, que tem dado atenção para o setor.

Quais suas perspectivas sobre a produção mundial de alimentos em um planeta que tem fome?

Panty – A demanda global de alimentos está aumentando e questões sérias permanecem sobre a oferta pode aumentar de forma sustentável. E chamo de sustentável do ponto de vista social, econômico e não apenas ambiental. Pessoas precisam comer e mais pessoas precisam comer mais e melhor e, para isso, teremos que lançar mão da produção com mais tecnologia embarcada. A expansão dessa produção deve crescer onde a geografia e as políticas públicas criarem cenários favoráveis.  Ainda há muito para expandir em tanques escavados, em viveiros suspensos e ambiente controlado. Existem ainda as áreas de barragens e Águas da União, ainda pouco exploradas, sem falar de offshore, com a costa brasileira com mais de 8 mil KM. Como os alimentos vindos do mar representam apenas 17% da produção atual de carne, já é hora de perguntar quanto podemos esperar que o oceano produza de forma sustentável até 2050, se olharmos para um futuro próximo. Ao voltarmos os olhos para o continente, observamos também um “oceano” de oportunidades para produzir em terra.

Quais são as dificuldades que atrapalham uma exploração ampla, racional e produtiva dos recursos do mar?

Panty – Se observarmos o cenário pós-pandemia, que gerou mudanças comportamentais de consumo e alertas sanitários importantes, podemos projetar as próximas décadas. De acordo com as mudanças estimadas de demanda e cenários de abastecimento, que levam em consideração a reforma das políticas públicas e melhorias tecnológicas, os alimentos vindos do mar podem aumentar em 21–44 milhões de toneladas até 2050, um aumento de 36–74% em comparação com a produção atual de acordo com um estudo da Revista  Nature. Ainda assim, isso representa 12–25% do aumento estimado em toda a proteína necessária para alimentar 9,8 bilhões de pessoas até 2050.  E, mesmo com muito investimento na maricultura, que tem potencial de crescimento, os olhares se voltam para as águas continentais a todo o momento, para a produção controlada.  Se esses potenciais de produção serão realizados de forma sustentável, dependerá de fatores como reformas de políticas, inovação tecnológica e a extensão das mudanças futuras na demanda.

Quais as expectativas do Brasil em relação à produção de pescado?

Panty – O apelo da alimentação saudável cresce a cada dia, a pressão ambiental também cresce. Mas eu preciso comer e quero um peixe que foi produzido de forma segura. Olhando para as outras cadeias de proteína vejo como maior desafio o risco sanitário. Isso é realmente preocupante. Temos mar e água para produzir, temos terra e mais água para produção continental, temos grãos e mão de obra. Temos tecnologias e conhecimento, mas o risco sanitário, com enfermidades emergentes, é uma ameaça muito alta que põe por terra todo e qualquer investimento ou abertura de mercados. A cada novo vírus ou bactéria que aparece como enfermidade emergente, o mercado precisa ser sério e ter estratégias de guerra para barrar, conter, evitar, prevenir e, para isso, é preciso foco em biosseguridade.

Qual o futuro da produção em alto mar (offshore) em face dos desafios tecnológicos?

Panty – O relatório da FAO fala sobre produção em água salgada. Já vemos em diversos países desenvolvidos a produção offshore em grande escala, em alto mar com tanques que chegam medir o equivalente a um prédio de seis andares, com alta tecnologia e pouco manejo. Produzindo muito e no oceano, longe da costa. Parece ficção científica mas a produção de garoupas, por exemplo, tem crescido. Países como Irlanda, Noruega e Reino Unido investem há décadas; a Ásia, mais recentemente, com projetos ainda maiores e mais ousados. Para atendermos a crescente demanda mundial de peixes e frutos do mar, o mundo terá que avançar mais e mais para as tecnologias aquícolas. Esse cultivo de organismos aquáticos várias milhas da costa, águas que costumam possuir altas taxas de saturação de oxigênio e baixas oscilações na temperatura são uma tendência global ainda maior que a nossa realidade brasileira de produzir em águas continentais.

A presença de pescado na mesa do consumidor crescerá nas próximas décadas?

Panty – Como os pescados são nutricionalmente diversificados e evitam ou reduzem muitas das cargas ambientais da produção de alimentos terrestres, eles estão em uma posição única para contribuir, tanto para o fornecimento de alimentos quanto para a futura segurança alimentar e nutricional global.  O apelo do alimento saudável deve guiar o consumidor nas próximas décadas e essa é a tempestade perfeita para o setor. Na produção, o desafio é conter e evitar desastres sanitários, e superando também questões cambiais e de valor das commodities que são base da nutrição dos peixes, focando na nutrição de precisão e nas tecnologias de enzimas, probióticos, prebióticos e biorremediadores que podem assegurar uma produção mais sustentável.

Fonte: A.I, adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

Preços dos ovos apresentam recuo em São Paulo

Médico veterinário alerta sobre mastites

Palestra da JINC aborda carne cultivada

evento online

4º Fórum de prevenção à febre aftosa será transmitido on-line

Cobb-Vantress participa do LPN Congress 2021