Patrocinado
MERCADO

Conteúdo

Comissão Nacional das Novas Lideranças do Agro discute eixos de atuação

Propostas desenvolvidas serão voltadas aos desafios dos jovens no setor
feedfood
FOTO: REPRODUÇÃO

As propostas desenvolvidas pelos integrantes da Comissão Nacional das Novas Lideranças do Agro da Confederação da Agricultura e Pecuárias do Brasil (CNA) voltadas para os eixos de atuação definidos pelo colegiado frente aos desafios dos jovens no setor agropecuário brasileiro foram debatidas nesta quarta-feira (20).

Durante a reunião foram apresentadas entre os eixos de atuação os seguintes: sucessão geracional, inovação, desenvolvimento de lideranças e defesa de interesse de classe. Como foco a comissão tem inserir e preparar os líderes para atuarem no setor, tanto na defesa dos interesses dos produtores rurais quanto na representatividade setorial.

FOTO: REPRODUÇÃO
Integrantes da Comissão Nacional das Novas Lideranças do Agro da Confederação da Agricultura e Pecuárias do Brasil (FOTO: REPRODUÇÃO)

Os membros da comissão puderam apresentar o trabalho desenvolvido em cada um dos quatro eixos nos últimos meses, os quais foram traçados diagnósticos para apoiar e auxiliar a definição de estratégias e linhas de atuação nacionais e estaduais.

“Temos agora o compromisso de levar adiante tudo o que fizemos nesses três, quatro meses de trabalho e de levantamento de dados”, afirmou o presidente da Comissão, Paulo Rogério Mindins, sobre a importante reunião para os trabalhos que serão desenvolvidos no próximo ano, a partir dos resultados alcançados em cada eixo.

A coordenadora do Programa CNA Jovem, Fernanda Nonato, entre outros, também acompanhou a reunião e avaliou os resultados apresentados. “A divisão em eixos é uma forma de apresentar os resultados mapeados e ao mesmo tempo ter uma visão mais ampla do Brasil”, destacou.

Fonte: CNA, adaptado pela equipe FeedFood.

LEIA TAMBÉM:

PIB do agro tem avanço acumulado de 0,5% em 2023

Ações brasileiras são destaque nas Conferências da FAO

Uso de tanino reduz emissão de GEE em 17% na pecuária