in

Combinação de ativos nos adsorventes de micotoxinas é defendida pela Kemin

Combinado de diferentes tipos de argila nos adsorventes de micotoxinas potencializa ação

Neste cenário atual de alta de preços dos principais insumos e ingredientes utilizados na alimentação animal como milho e soja, torna-se mandatório a busca por soluções que proporcionem maior desempenho e melhor performance. Todo sistema produtivo pode ser impactado negativamente pela ação nociva das micotoxinas, toxinas estas produzidas pelos mais diversos tipos de fungos presentes naturalmente no ambiente e nos ingredientes utilizados na nutrição animal. Importante lembrar que todo levantamento realizado demonstra a alta prevalência e incidência destas toxinas nos alimentos que fornecemos aos nossos animais.

A base da alimentação e da dieta brasileira para a nutrição animal é o milho e a soja, e devemos ter uma atenção especial em relação a qualidade destes ingredientes, defende o médico veterinário e gerente de Produtos para Ruminantes da Kemin na América do Sul, Fernando Braga.

De acordo com ele, o cenário atual é muito preocupante com relação a presença de micotoxinas nestes dois principais ingredientes base para a alimentação animal. “Todos levantamentos e trabalhos realizados mostram não somente no Brasil, mas ao redor do mundo a presença em alta porcentagem de amostras contaminadas por micotoxinas e em níveis e concentrações acima dos valores permitidos. Na maior parte das amostras também é encontrada a presença de mais de uma micotoxina. A ocorrência de micotoxinas é quase inevitável como a Aflatoxina, Zearalenona, Fumonisina e Deoxinivalenol, e ainda existem novas sendo descobertas, como a Nivalenol, a Beauvericina e a Moniliformina”.

Diante deste quadro, o especialista defende o uso de adsorventes de micotoxinas que contenha a combinação de ativos para aumento e potencialização da eficácia contra os diversos efeitos negativos na produção animal. “Estes efeitos negativos são de médio a longo prazo e são cumulativos, tendo têm impacto direto na performance animal e na rentabilidade do produtor em todas as espécies. Problemas reprodutivos, gastro-enterites, menor ingestão de alimento, lesões cutâneas e hepáticas são alguns exemplos dos efeitos danosos das micotoxinas no animal. “O impacto no rebanho acontece ao longo do tempo e traz prejuízos importantes”, pontuou Braga.

Ele destaca bons resultados e eficácia obtidos em campo com uso de adsorventes que combinam diferentes ativos como as argilas bentonita, sepiolita e leonardita, cada um com sua especificidade contra as diversas micotoxinas, todos pertencentes a família de adsorventes TOXFIN™. “Temos alcançado ótimos resultados com estas combinações de ativos, aumentando seu espectro de ação e de atuação contra as toxinas”, encerra Braga.

Fonte: A.I, adaptado pela equipe feedfood.

LEIA TAMBÉM:

Contínua valorização do milho afeta pecuaristas

Ourofino abre inscrições para programa de estágio

SP realiza Fórum sobre retirada da vacinação contra Febre Aftosa

Cobb-Vantress se destaca no combate de salmonelas

Vetanco lança Programa de Compliance