Patrocinado
SUINOCULTURA

Conteúdo

Colômbia emite determinação favorável para suíno resistente à PRRS

País marca um avanço importante na batalha contra o vírus
feedfood
FOTO: REPRODUÇÃO
Patrocinado

O governo da Colômbia emitiu uma determinação regulatória favorável para os suínos geneticamente resistentes ao vírus da Síndrome Reprodutiva e Respiratória Suína (PRRS). O anúncio veio através da Genus plc (LSE: GNS), companhia controladora da PIC (Pig Improvement Company), na quinta-feira (05).

“O anúncio de hoje marca um avanço crítico na batalha contra o PRRS e deixa a PIC um passo mais perto da comercialização do suíno resistente a PRRS”, afirma o diretor de Operações da PIC, Mat Culbertson.

A determinação significa que o país tratará os suínos resistentes à síndrome da mesma maneira que os suínos criados de forma convencional. Sendo importante destacar que não desencadeará automaticamente as vendas de suínos resistentes na Colômbia. A PIC está trabalhando com todas as partes interessadas na cadeia de valor da proteína animal para estabelecer um cronograma de comercialização.

Patrocinado

“Por mais de 30 anos, os produtores de carne suína lutam para proteger seus animais do devastador vírus da PRRS. A PIC está trabalhando para disponibilizar aos produtores em todo o mundo o suíno resistente a PRRS e sua genética, para melhorar o bem-estar animal e a sustentabilidade da produção de carne suína”, relata o diretor de operações.

O vírus é um desafio universal que afeta os produtores de carne suína e os sistemas de produção em todo o mundo, provocando a morte prematura de milhões de suínos por ano. Estima-se que a síndrome custe em torno de 2 bilhões de dólares para a indústria global.

A PIC antecipará uma série de decisões regulatórias nos próximos anos, incluindo uma decisão do United States Food and Drug Administration (FDA), no primeiro semestre de 2024, e está trabalhando para obter a aprovação do suíno resistente a PRRS nos Estados Unidos, Canadá, China, Japão, México e Brasil, juntamente com outros países produtores de carne suína. Cada país possui um sistema regulatório único e políticas de biotecnologia que afetarão o processo e o cronograma de aprovação.

Além de obter as aprovações-chave, outras considerações determinarão quando a PIC arrancará com um lançamento global em etapas. Assim como qualquer melhoria genética, levará alguns anos para que a multiplicação genética do suíno resistente a PRRS tenha escala suficiente para atender à demanda global.

Fonte: AI, adaptado pela equipe FeedFood.

LEIA TAMBÉM:

PIB do agro tem avanço acumulado de 0,5% em 2023

Ações brasileiras são destaque nas Conferências da FAO

Uso de tanino reduz emissão de GEE em 17% na pecuária