Pesquisar
Close this search box.
Patrocinado
MERCADO

Conteúdo

Cientista Nobel da Paz propõe modelo brasileiro como solução 

Para Rattan Lai, programa de Agricultura de Baixo Carbono (ABC) ajudaria outros países
feedfood

Durante a 78ª Semana Oficial de Engenharia e Agronomia (Soea), realizada em Gramado (RS), o cientista indiano radicado nos Estados Unidos, Rattan Lal, co-laureado com o Prêmio Nobel da Paz em 2007 e vencedor do Prêmio Mundial da Alimentação em 2020, propôs que o programa brasileiro de Agricultura de Baixo Carbono (ABC) servisse como modelo para outros países pobres e em desenvolvimento.

O Programa ABC, por meio de juros mais baixos, financia ações de recuperação de pastagens degradadas, plantio direto na palha e integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF), dentre outras práticas conservacionistas e que contribuem para redução das emissões de gases de efeito estufa. 

Somente na savana africana, segundo Lal, há 193 milhões de hectares de pastagens e 54 milhões de terras agrícolas que poderiam ser beneficiados pela moderna tecnologia agropecuária tropical brasileira, devido às similaridades dos biomas.

“O sucesso do programa ABC precisa ser traduzido,extrapolado e amplificado para países em desenvolvimento ao redor do mundo. O milagre do Cerrado é um exemplo do que pode ser feito na África. Acredito que os países dos Brics, juntos, podem fazer uma grande diferença”, afirmou o cientista.

Dizendo-se otimista em relação ao futuro, Lal entende que o Brasil não deve se contentar em ter uma agricultura rotulada como carbono neutro. “A meta não é zero emissão, mas emissão negativa”, defende. 

Ele conta que sua equipe enviou um documento para os formuladores da Farm Bill dos Estados Unidos, em que defendem o pagamento de 50 dólares por acre por ano pela adoção de tecnologias conservacionistas que sequestram carbono no solo. “Se isso acontecer, espero que o Brasil siga no mesmo caminho”, enfatizou o cientista. 

Rattan Lal falou sobre o assunto na Semana Oficial de Engenharia e Agronomia (Foto: reprodução)

Quando questionado sobre o ensino da agricultura tropical praticada no Brasil e o quanto isso colaboraria para a “competição” entre os países, o cientista respondeu: “Vou usar um ditado em sânscrito, a linguagem ancestral, que estudo e gosto muito. Somente duas palavras: जगत् कुटुम्बम् अस्ति. ‘O mundo é uma família’. More você no Brasil, na África ou índia, somos todos uma só família. E quando um membro da família está passando fome, a família deve cuidar dele. Então, nossos irmãos e irmãs em qualquer lugar do mundo, se estão precisando de comida, e o Brasil tem a capacidade científica de produzir mais comida, o Brasil tem o dever moral de ajudar os outros membros da família”. 

Ele ainda reforça que o próprio Brasil já foi ajudado e que, agora, é hora de ser recíproco: “O Brasil vai ganhar, e não perder. Vai ganhar economicamente, socialmente, moralmente, culturalmente. O Brasil tem população africana, vocês sabem disso”.

Lal ainda enfatiza que a guerra na Ucrânia afetou o mundo todo, especialmente a África, porque o mundo é interdependente, interconectado. “A paz e a tranquilidade mundial nunca chegarão enquanto houver algum lugar em que as pessoas passam fome. Quando as pessoas estão famintas e desesperadas, e tem um fogo queimando no fundo de seus estômagos vazios, isso é causa de guerra, de desespero. As pessoas se dispõem a fazer qualquer coisa. Não é possível ter paz com o estômago vazio. Se o Brasil ajudar a África, ajudar as nações do Caribe, os países andinos, isso pode elevar o prestígio do Brasil. Torná-lo um líder. É uma oportunidade que não deve ser perdida”.

Fonte: Valor Econômico e Gazeta do Povo, adaptado pela equipe FeedFood.

LEIA TAMBÉM:

Entidades setoriais pedem pela reestruturação da carreira de auditor agropecuário 

Pecuária brasileira: Selo reconhece redução na emissão de metano 

Senar-SP oferece curso de aquaponia   

Patrocinado
Patrocinado