in

CFMV lança campanha para o Dia do Zootecnista

Campanha “Zootecnista: gente que faz acontecer” visa homenagear a profissão

O que faz um zootecnista? Essa pode ser uma dúvida comum para quem não atua diretamente com o profissional. Em busca de demonstrar a importância desta formação para a produção de proteína animal, o Sistema Conselhos Federal e Regionais de Medicina Veterinária (CFMV/CRMVs) lançou a campanha “Zootecnista: gente que faz acontecer”.

A ação foi idealizada como uma forma de homenagear o profissional na data em que se celebra a profissão: 13 de maio. A partir deste dia, o Sistema disponibiliza o acesso a um hotsite com mais conteúdos sobre a campanha, que também contará com divulgação nas redes sociais por meio de vídeos, cards, podcasts, entre outras ações.

Profissão zootecnista

O zootecnista faz acontecer na produção animal, no melhoramento genético, na educação, na nutrição animal, no agronegócio e em muitas outras áreas, com seu trabalho refletindo diretamente no Produto Interno Bruto (PIB) e no desenvolvimento econômico do Brasil. “Somos um país com perfil de produção de alimentos e nunca vamos deixar de ser. Precisamos de zootecnistas para alimentar o mundo”, defende Gerson Guarez Garcia, coordenador do curso de Zootecnia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), que tem no papel de educador a missão de auxiliar na formação desses novos profissionais.

Zootecnia x produção de proteína de origem animal

A proteína de origem animal é um dos pilares da alimentação humana e, assim, faz girar a economia. Segundo dados da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), enquanto o PIB nacional encolheu 1,2% nos últimos nove anos, o da agropecuária registrou aumento de 25,4%. Os números do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA – Foreign Agricultural Service) referentes a 2019 comprovam: no frango, o Brasil é o terceiro maior produtor mundial e o primeiro exportador; com relação à carne suína, fica em quarto, tanto na produção quanto na exportação.

O mercado internacional, no entanto, é exigente no que tange à origem do produto adquirido. Preocupa-se, também, com a sustentabilidade e o bem-estar dos animais. Os compradores querem saber todos os detalhes e se tem alguém que pode dar essas respostas é o zootecnista. “Somos sustentáveis, desde uma rotação de pastagem até quando saímos do sistema extensivo para intensivo com fins de eficiência ou produção. Somos sustentáveis, especialmente, quando para cada área que produzimos reservamos a nossa porcentagem de preservação ambiental da mata que nos rodeia”, ressalta Consolata Piastrella, zootecnista que dedica sua carreira à rastreabilidade e exportação.

Outro ponto fundamental de toda essa cadeia produtiva é a qualidade do alimento. Novamente, o zootecnista entra em ação e, com as técnicas de melhoramento genético, leva os rebanhos a produzir mais, com mais qualidade e em menos tempo, como explica Liliane Saguisawa, referência na área. “A genética é a base da construção da produção animal. Com o conhecimento nas mãos, aliado ao ambiente adequado, conseguimos obter o melhor do animal, encurtando o caminho para chegarmos a um objetivo na produção”.

Esses são apenas alguns dos exemplos de como o zootecnista faz acontecer. A profissão foi regulamentada no país em 1968, com a publicação da Lei nº 5.550, mas já existe há mais de 80 anos e tem muita história para contar.

 Fonte: CFMV, adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

Contínua valorização do milho afeta pecuaristas

Camarões abre mercado para genética avícola brasileira

Aditivos líquidos podem auxiliar na redução de custo da produção

Camarões abre mercado para genética avícola brasileira

Congresso CBNA ocorre entre os dias 12 e 13 de maio