in

Casos de Doença de Haff são monitorados pelo MAPA

Para evitar a doença, Pasta orienta aquisição de pescados com selo de inspeção oficial

Após a confirmação de casos da doença de Haff – conhecida como “urina preta” – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) anuncia monitoramento e reforça orientação de que consumidores adquiram pescados com selo de inspeção oficial.

Segundo a Pasta, ocorrências estão sendo acompanhados pelas equipes de epidemiologia do Ministério da Saúde em cooperação com os Laboratórios Federais de Defesa Agropecuária (LFDA/RS) e o Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC).

Para que controle seja realizado de maneira eficaz, MAPA orienta que a população fique atenta na hora de comprar pescados, de forma geral. De acordo com o Ministério, peixes, mariscos e crustáceos comercializados devem conter o selo dos órgãos de inspeção oficiais, o que possibilita a rastreabilidade de origem, o que os torna seguros.

“É muito importante que a população esteja atenta aos informes, evitando assim informações especulativas que venham a ocasionar confusão a respeito do tema”, explica a diretora do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa), Ana Lúcia Viana.

Vale ressaltar que pesquisas sobre os possíveis agentes causadores estão sendo realizadas pelo LFDA e o IFSC, a partir das amostras coletadas dos alimentos consumidos, bem como de material biológico dos próprios pacientes acometidos. “Por ter sido registrada em diversos biomas (rios, lagos, mares etc.) e espécies, não é possível, até o momento, determinar, com base nos casos analisados, os ambientes e animais envolvidos”, explica o MAPA.

Contudo, “com base nas análises preliminares, as equipes laboratoriais realizaram uma ampla pesquisa de amostras em busca de moléculas suspeitas, especialmente dos grupos das palytoxinas e ovatoxinas, apontadas como as mais prováveis toxinas causadoras doença de Haff.  São moléculas análogas – podem ser produzidas por microalgas tóxicas – e estão presentes na maioria dos aquários marinhos”.

A doença

Como explica o MAPA, “a doença de Haff ainda não tem causa definida e se caracteriza por ser uma síndrome em que ocorre uma rabdomiólise (ruptura de fibras musculares), com início súbito, apresentando rigidez, dores musculares e alterações de enzimas”.

Os primeiros sinais e sintomas do problema podem se manifestar nas primeiras 24 horas após o consumo de peixe cozido, lagostins e outros frutos do mar contaminados. “A enfermidade é considerada emergente e, por ter origem desconhecida, enquadra-se como evento de saúde pública (ESP), sendo considerada de notificação compulsória”, destaca a Pasta.

No País, como também ressalta o Ministério, foram registrados casos da doença em 2008 com algumas espécies de água doce como o Pacu (Mylossoma spp), tambaqui (Colossoma macropomum) e pirapitinga (Piaractus brachypomus), bem como peixes de água salgada, como a arabaiana/olho-de-boi (Seriola spp.) e badejo (Mycteroperca spp), além de novos casos em 2016 e, agora, em 2021.

Fonte: MAPA, adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

Rodada de Negócios aproximará empresas brasileiras de russas

Gerência e planejamento devem estar no radar do agrônomo

ABPA rebate fala de ministro francês sobre carne de frango

Com alta do dólar, liquidez da soja apresenta melhora

CNA

De forma unânime, João Martins é reeleito presidente da CNA