Patrocinado
BOVINOCULTURA

Conteúdo

Campanhas de vacinação contra Febre Aftosa e Brucelose são prorrogadas

O produtor interessado deve buscar a revenda do imunizante para garantir o produto
feedfood
FOTO: REPRODUÇÃO

A Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento (SAA) informou que as campanhas de vacinação contra a Febre Aftosa e a doença Brucelose no Estado de São Paulo foram prorrogadas e serão estendidas até o dia 15 de dezembro com prazo para a declaração até o dia 22 do mesmo mês.

O Coordenador da CDA, Luiz Henrique Barrochelo, explicou que esta será a única prorrogação da campanha. “Então, o produtor não pode perder este prazo. Hoje, há doses disponíveis para todo o rebanho que falta ser vacinado no Estado de São Paulo. Mas, por uma questão de mercado, algumas lojas não renovaram seus estoques e pode ser que a loja mais próxima que tenha vacinas esteja em outro município”, destacou.

A fim de atender a demanda de todos os produtores que envolvem logística de distribuição em todo o Estado, as etapas que antes se encerravam no dia 30 de novembro contra a Febre Aftosa, devem vacinar bovídeos (bovinos e bubalinos) com até 24 meses de idade. Já contra a Brucelose, devem vacinar as fêmeas bovídeas (bovinas e bubalinas) de três a oito meses.

FOTO: REPRODUÇÃO
Vacina contra Febre Aftosa deve imunizar bovídeos com até 24 meses de idade (FOTO: REPRODUÇÃO)

“Pelo GEDAVE, o produtor que ainda não comprou suas vacinas pode procurar qual a loja mais próxima que ainda possui vacinas em seu estoque, mesmo que ela esteja em outro município. Nós recomendamos que, antes de sair para comprar as doses, o pecuarista entre em contato com a loja escolhida para confirmar se há vacinas disponíveis e o horário de funcionamento”, destacou o coordenador.

O prazo para registrar a declaração de ambas as vacinas vai até o dia 22 de dezembro e pode ser, de preferência, realizada por meio eletrônico, através do GEDAVE. O criador poderá acessar o formulário do documento na internet, preenchê-lo e entregá-lo pessoalmente na unidade mais próxima da Defesa Agropecuária, podendo também enviá-lo via e-mail diretamente para a regional que responde pelo município.

O produtor que não imunizar ou comunicar a vacinação estará sujeito a multas que variam de 03 a 05 UFESP’s por animal (o valor de cada Unidade Fiscal do Estado de São Paulo – UFESP é de 34,26 reais para o ano de 2023), sendo de 05 UFESP’s (171,30 reais) por cabeça não imunizada e 03 UFESP’s (102,78 reais) por cabeça não comunicada.

FOTO: REPRODUÇÃO
Vacina contra a Brucelose deve ser aplicada em fêmeas bovídeas de três a oito meses (FOTO: REPRODUÇÃO)

Fonte: AI, adaptado pela equipe FeedFood.

LEIA TAMBÉM:

PIB do agro tem avanço acumulado de 0,5% em 2023

Ações brasileiras são destaque nas Conferências da FAO

Uso de tanino reduz emissão de GEE em 17% na pecuária