Pesquisar
Close this search box.
Patrocinado
AQUICULTURA

Conteúdo

Brasil exporta farinha de tilápia para os EUA

Fider Pescados recebeu aprovação para enviar produto de fábrica situada em Rifaina (SP)
feedfood

A farinha de peixe é um produto seco, obtido a partir da cocção dos resíduos gerados pela produção. Trata-se de excelente fonte nutricional de proteínas, energia, minerais e vitaminas.

E este produto, fabricado no Brasil, passará a ser exportado para os Estados Unidos. A Fider Pescados, indústria de processamento de tilápia e subprodutos, recebeu aprovação para exportação de farinha para o mercado pet do país norte-americano. 

“Neste primeiro momento exportaremos 75 toneladas de farinha, mas o objetivo é ampliar cada vez mais, abrindo as portas de um país altamente regulado”, ressalta o gerente da empresa, Juliano Kubitza.

A Fider processa cerca de 800 toneladas de produtos de tilápia por mês. A empresa é uma das cinco maiores processadoras de tilápia do Brasil, atende todo o território nacional e exporta para sete países: Estados Unidos, Canadá, Taiwan, Venezuela, Bangladesh, Sri Lanka e Indonésia. Todos os processos que envolvem sua produção são realizados na fábrica de óleos e farinhas da Fider, instalada no complexo industrial da empresa, em Rifaina (SP).

A exportação de farinha de subprodutos de tilápia para os Estados Unidos exigiu adequações aos parâmetros estabelecidos pela legislação daquele país. Juliano conta que os norte-americanos são extremamente exigentes em termos de qualidade, como destaque para o alto teor de proteína da farinha. 

“Alcançamos tais parâmetros devido ao processo rápido e contínuo, além de matérias-primas extremamente frescas. A partir da despescagem, por exemplo, a Fider consome somente duas horas entre o abate da tilápia e a transformação dos resíduos em farinha”, diz e complementa: “É um sistema bastante eficiente que segue rigoroso padrão de processamento. Ao fim de todo o ciclo, nossa farinha tem 65% de proteína em sua composição”.

A fábrica entrou em funcionamento em 2020, e todos os processos são automatizados: da recepção de matérias-primas à embalagem. A administração é centralizada na sala de controle e são utilizados apenas quatro funcionários por turno.

A unidade recebeu investimentos de R$ 15 milhões e tem capacidade instalada para produção de 500 toneladas de óleos e de farinhas. “A fábrica de óleos e farinhas da Fider é o estado da arte da transformação de resíduos de tilápia em insumos que voltam a ser utilizados na piscicultura e nas demais proteínas animais como um todo”, reforça o gerente da empresa. 

Fonte: AI, adaptado pela equipe FeedFood.

LEIA TAMBÉM:

Após crise, suinocultura entra em fase de recuperação

Estimativas pesqueiras preveem 78 mil pirarucus até novembro

Missão busca fortalecer laços no Japão e Coreia do Sul