Pesquisar
Close this search box.
Patrocinado
MERCADO

Conteúdo

Brasil e Estados Unidos sofrem pressão nas cotações de milho

feedfood

O conflito que permanece acontecendo entre Rússia e Ucrânia continua refletindo em ações internas e externas. Exemplo de impacto nos insumos é o milho que voltou a subir em todo o mundo. De acordo com as informações divulgadas pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea),  após o recesso de carnaval, compradores retornaram ao spot com o objetivo de recompor parte dos estoques, no entanto, vendedores seguiram retraídos e focados na colheita da safra de verão e no aguardo de novas valorizações para poder negociar novamente o cereal.

Outra nação fortemente impactada com a guerra é os Estados Unidos, que também perde um dos principais produtores e exportadores para o País. Sem a comercialização ucraniana, as incertezas quanto ao abastecimento global começam a crescer ainda mais. 

Além disso, o atual cenário atrapalha a semeadura da nova safra da Ucrânia, que estava prevista para iniciar em abril. 

O indicador ESALQ/BM&FBovespa (Campinas – SP) observou que entre 25 de fevereiro a 4 de março houve uma crescente de 0,83%, fechando a R$ 98,15/saca de 60 kg na sexta-feira (4), assim como, os vencimentos voltaram a superar os US $7/bushel na terça-feira, 1º, patamar observado em maio/21. No mercado futuro brasileiro, os movimentos também são de alta, mesmo diante da colheita no Sul do País.

Fonte: Cepea, adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

Adriane Zart defende produção agropecuária alicerçada na boa relação entre animal e produtor

Conflito entre Rússia e Ucrânia já começa a refletir em SC

Preço dos ovos apresentou novo recorde nominal em fevereiro

Patrocinado
Patrocinado