in ,

Brasil apresenta vantagens na produção de pescados

Setor conta com aporte de águas continentais e regiões com robusta capacidade produtiva

tilapia
REPRODUÇÃO

Wellington Torres, de casa

[email protected]

Ao se pensar em mercados produtivos emergentes, a piscicultura brasileira deve estar no radar de futuros investidores. Como aponta a Associação Brasileira da Piscicultura (PEIXE BR), apenas em 2020, o setor somou 802.930 toneladas entregues, com cerca de R$ 8 bilhões em receita.

O cenário, levando em conta os altos valores das demais proteínas, como os da carne bovina, é propício ao setor pesqueiro. Segundo o Engenheiro de Pesca e presidente da Federação Nacional dos Engenheiros de Pesca do Brasil, José Carlos Pacheco, tal encarecimento está relacionado a demanda internacional e ao crescimento populacional.

“As proteínas bovinas e suínas não se apresentam como competidoras ao pescado, na verdade, o que ocorre é o crescimento da população e a necessidade de produzir proteínas.  A vantagem é que o pescado, ao se pensar no Brasil, conta com o aporte de águas continentais, como lagos e represas, e uma costa com capacidade de produzir cada vez mais”, explica o profissional.

No entanto, ao se pensar no mercado consumidor nacional, mudanças como essas são vistas de forma positiva. “O encarecimento das demais proteínas vai abrir espaço ao pescado e afins, fazendo com que os consumidores migrem para o consumo da proteína de forma assídua”, salienta.

Para produzir, atenção à sustentabilidade com o profissional certo

Contudo, para que essa investida ocorra, de fato, pontos como sustentabilidade devem ser sempre postos em destaque, tendo em vista a maior participação dos consumidores na definição de sucesso de um produto.

De acordo com o presidente, para se pescar ou cultivar organismos aquáticos não se faz necessário um Engenheiro de Pesca, no entanto, “se a preocupação está na sustentabilidade da atividade pesqueira ou aquícola, sim”.  “O profissional estuda o ambiente aquático como um todo, em áreas como a limnologia, a oceanografia, a geologia de ambientes aquáticos, a meteorologia, os diferentes métodos de cultivo, a economia e administração dos recursos pesqueiros, o monitoramento, a avaliação e o manejo dos animais”, destaca.

19 receitas de peixe para sua ceia de Ano Novo • Ana Maria Braga
Consumo per capita nacional de pescados é de 10,2 kg/habitante/ano (Foto: reprodução)

Por isso, Pacheco também reforça que, nos meios produtivos, é preciso que os órgãos públicos entendam essa necessidade, e ao identificar as unidades produtivas – se existirem profissionais que possam se responsabilizar de qualquer dano à natureza – que tais profissionais tenham o compromisso ético de produzir alimentos com qualidade.

Além do mais, como complementa o Analista Ambiental e ex-Gestor de Recursos Pesqueiros do IBAMA-DF, José Dias Neto, também Engenheiro de Pesca, a iniciativa é um dos princípios fundamentais na formação da área de estudo.

“Todo o fundamento do uso dos recursos pesqueiros tem como base a captura máxima sustentável. Essa teoria se fundamenta em modelos de avaliação de estoques do pescado ainda no ambiente (portanto vivos), desenvolvidos um pouco antes de meados do século passado e em evolução. Portanto muito antes da sustentabilidade virar moda, a ciência pesqueira já tinha esse princípio como base”, enfatiza.

Atenção ao futuro

Como sinal de uma maior participação dos pescados em lares brasileiros, no dia 28 de outubro de 2021, a Associação Brasileira de Piscicultura (Peixe BR) e a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) firmaram aproximação. A iniciativa tem como objetivo potencializar a tilapicultura em território nacional.

“O que nós esperamos com essa parceria, neste primeiro momento, é ganhar competitividade para a tilapicultura e para a produção de tambaqui, porque são espécies que estamos produzindo em volume significativo, com ganhos de competitividade. Agora precisamos, e vamos, avançar mais rapidamente”, destacou o presidente executivo da Peixe BR, Francisco Medeiros a nossa equipe (Leia a matéria completa aqui).

Preço do suíno apresenta queda nas primeiras semanas de janeiro

Embarques de carne suína crescem 11,9%

IEA aponta alta de 9,5% nas exportações paulistas