Patrocinado
MERCADO

Conteúdo

Bio-Rad destaca desafios na pesquisa de Bacillus cereus

feedfood
Imagem publicacao RAPIDB.cereus

A cadeia de produção, distribuição e comercialização de alimentos envolve vários fatores complexos de serem gerenciados simultaneamente. Um dos mais sensíveis, tanto para a Indústria quanto para os consumidores, é a oferta de um alimento seguro, através da eliminação de perigos e redução de riscos à saúde de quem ingeri-lo.

No âmbito das análises microbiológicas para controle de qualidade dos alimentos, muito se discute sobre metodologias que permitam análises sensíveis, fidedignas e com obtenção de resultados em um prazo que atenda à demanda das Indústrias, o qual precisam liberar seus lotes aprovados, para a rede de distribuição, no menor tempo possível.

Um dos ensaios indicados pela Instrução Normativa nº 60 da ANVISA é a pesquisa presuntiva do grupo B.cereus em diferentes tipos de matrizes, como leite e derivados, alimentos infantis, fórmulas para nutrição enteral, cereais, farinhas, massas alimentícias, e outros alimentos preparados prontos para o consumo.

Para quem trabalha com análise desse patógeno, em algum momento deve ter enfrentado dificuldades para distinguir colônias típicas e atípicas de B. cereus, em diferentes meios de cultura disponíveis no mercado, por isso a Bio-Rad oferece uma solução.

Ciente dos desafios inerentes as análises do patógeno, a empresa lançou o RAPID’B.cereus: um ágar baseado em reação cromogênica onde as colônias de Bacillus cereus se desenvolvem com coloração vermelha característica, rodeadas por um halo opaco.

A seletividade do ágar previne o crescimento de flora interferente e permite a análise de uma ampla gama de alimentos. A sensibilidade do meio foi especialmente otimizada para permitir o crescimento de todas as cepas patogênicas de Bacillus cereus, inclusive as mais complexas, como B.cytotoxicus, evitando o espalhamento de colônias rizoides, o que torna o processo de enumeração mais rápido e eficiente.

Os resultados são obtidos em 24 ± 3 h, sem necessidade de confirmação ao seguir o protocolo alternativo validado. Outra vantagem que contribui para o fluxo da rotina de análises é o armazenamento da placa após a incubação por até 72h em temperatura de 2 a 8ºC antes da leitura, concedendo ao laboratório a autonomia para organizar suas demandas prioritárias sem comprometer a qualidade da interpretação dos testes.

O método RAPID’B.cereus foi rigorosamente testado e validado pela AFNOR, agência reconhecida internacionalmente, em comparação com o método de referência NF EN ISO 7932 (2005) – certificado BRD 07/26-22/03.

Para saber mais sobre como a Bio-Rad pode ajudar nessa e em outras análises do seu laboratório de alimentos, clique aqui e consulte o site oficial da empresa, assim como suas redes sociais  (Instagram | Linkedin).

Fonte: A.I, adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

Tereza Cristina vai ao Canadá em busca de novas oportunidades

Preço do milho sobe quase 18% após conflito europeu

Debate sobre legislação encerra XIX Congresso de ovos

Patrocinado
Patrocinado