Pesquisar
Close this search box.
Patrocinado
AVICULTURA

Conteúdo

Avicultores focam em biosseguridade para expandir alcance

Após período de custos elevados, exportações avícolas apoiam recuperação do setor
feedfood
Foto: reprodução

O Dia do Avicultor, celebrado nesta segunda-feira (28), traz motivos especiais para comemorar. O presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin, destaca o primeiro deles: a preservação do status sanitário do Brasil. 

Após o primeiro registro de Influenza Aviária na história do País (ocorrido em aves silvestres), a união de esforços  de produtores de todo o Brasil, integrados às ações das agroindústrias e ao amplo trabalho de monitoramento e gestão de crise do Ministério da Agricultura permitiram ao país seguir livre da enfermidade, sem qualquer foco na produção comercial.

“Aqui cabe destacar a articulação liderada pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA), juntamente com o setor produtivo e todos os elos da cadeia, no controle total para a manutenção da biosseguridade. Entre estes, os avicultores são o grande destaque. Em suas mãos está a importante responsabilidade de colocar em prática os protocolos de biosseguridade que protegem o setor produtivo”, ressalta o presidente da ABPA.

Com a preservação do status sanitário do Brasil como livre de Influenza Aviária perante a Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA), analisa Santin, o setor produtivo caminha para uma recuperação após um período desafiador, frente às altas históricas dos custos de produção. 

“O milho e o farelo de soja estão em um quadro mais favorável do que vimos desenhado ao longo dos anos de 2020 e 2022, quando o setor foi fortemente testado e a resiliência dos produtores fez a diferença para a manutenção do abastecimento interno e das exportações.   Por outro lado, alguns custos permanecem elevados, como o preço do diesel e das embalagens. Neste contexto, as exportações deverão ser o principal impulsionador do setor, com a ampliação da demanda de diversos mercados pelo mundo, tanto no caso da carne de frango como para os ovos”, avalia.

Para a carne de frango, conforme projeções da ABPA divulgada em 16 de agosto, a produção deverá alcançar até 14,95 milhões de toneladas produzidas ao longo dos 12 meses de 2023, número 3% superior ao registrado no mesmo período do ano passado, com 14,52 milhões de toneladas. As exportações totais deverão chegar a 5,20 milhões de toneladas, volume até 8% superior aos embarques registrados em 2022, com 4,82 milhões de toneladas. 

A disponibilidade de produtos no mercado interno deverá alcançar 9,85 milhões de toneladas, volume 1,5% superior às 9,70 milhões de toneladas registradas em 2022. Com isto, o consumo per capita de carne de frango deverá ficar em 46 quilos neste ano, dado 1,5% maior que os 45,2 quilos per capita registrados em 2022. 

No caso do setor de ovos, a produção total do país deverá chegar a 52,55 bilhões  de unidades em 2023, número 1% maior que as 52,06 bilhões de unidades produzidas em 2022. O consumo per capita de ovos do Brasil deverá encerrar o ano em torno de 242 unidades, número 0,5% maior que as 241 unidades per capita consumidas em 2022. Nas exportações, as projeções indicam embarques totais de 32,5 mil toneladas de ovos do Brasil, número 240% superior ao total exportado em 2022, com 9,47 mil toneladas. 

“Tanto os produtores de carne de frango quanto de ovos estão enxergando ainda mais oportunidades no mercado internacional. O trabalho de excelência entregue pelas granjas se soma aos esforços que geram oportunidades de negócios que hoje equilibram a oferta e melhoram a rentabilidade de toda a cadeia produtiva. Mais exportações significa mais receita cambial, emprego e renda para o País. Este é um trabalho estratégico que começa na base, nas famílias de avicultores do Brasil que se dedicam à uma produção diferenciada pela qualidade, pela sustentabilidade e pela biosseguridade”, conclui o presidente da ABPA.

Fonte: ABPA, adaptado pela equipe FeedFood.

LEIA TAMBÉM:

Cientista Nobel da Paz propõe modelo brasileiro como solução 

Ferramenta ajuda pecuarista a organizar venda de animais em remates 

Carlos Fávaro reforça incentivos à pecuária leiteira