Pesquisar
Close this search box.
Patrocinado
MERCADO

Conteúdo

Ao abraçar o metaverso, Wisenetix amplia cobertura do agro

feedfood

Wellington Torres, do metaverso

wellington@ciasullieditores.com.br

Em um presente cada vez mais digital e on-line, setores reconhecidos pelo forte apelo aos eventos presenciais tendem a se movimentar ao encontro de novos espaços de comunicação, como é o caso do metaverso.  Este novo “mundo”, em definição, é um espaço coletivo e virtual, resultado da soma de três pontos: realidade virtual, realidade aumentada e internet.

Neste cenário e com objetivo de impulsionar a suinocultura global ao universo digital, a Academia Suína, que passará a ser chamada de Wisenetix – em decorrência de mudanças estruturais, realizou a terceira edição do SwineTalks no metaverso. A ação, iniciada ontem (09) e encerrada hoje (10), alcançou mais de 85 países e apresentou conteúdos em três idiomas diferentes: português, inglês e espanhol.

Como explica o sócio proprietário da unidade Brasil e membro do conselho técnico-científico, Jamil Faccin, a escolha para a mudança de formato na terceira edição exterioriza o que já é realizado dentro da empresa, uma vez que toda a operacionalização é posta em prática à distância.

Como afirma Jamil Faccin, Wisenetix tem como objetivo impactar pessoas (Foto: Wisenetix)

“Não temos nenhum escritório físico. Estamos no metaverso e queríamos transpor isso ao público participante, já que falamos muito sobre inovação”, destaca o profissional, ao afirmar que, “se as pessoas não tiverem uma experiência diferente, não saberemos se inovamos, sendo este o propósito da empresa”.

E se engana quem pensa que a ideia é substituir os eventos presenciais. Para Faccin, os encontros como este são únicos em suas totalidades, sem a necessidade de seguirem os demais formatos: “A internet, com certeza, precisa ser utilizada de maneira estratégica e é o que faz com que nós realizemos eventos assim. Temos plena noção das possibilidades do formato e acreditamos que ele sirva para complementar o ciclo de eventos de suinocultura no Brasil e no mundo”.

Entre os benefícios acarretados pela mudança, o sócio-proprietário cita a comodidade e flexibilidade ofertada aos participantes, o expecto de videogame – que possibilita a elaboração de um personagem e a utilização dele para conhecer o espaço – e a aproximação com o novo formato.

“A ideia é que as pessoas se sintam parte da iniciativa, criem seus personagens, caminhem entre os estandes, aproveitem todos os eventos e façam networking”, pontua, ao ressaltar que, ao todo, somando os três encontros que ocorrem concomitantemente em espanhol, inglês e português, foram 72 palestras com temas de dentro e de fora do setor.

Palestras também foram transmitidas via Youtube (Foto: Wisenetix)

Para contornar possíveis gargalos referentes a adesão do projeto, o profissional comenta sobre a necessidade em se fazer autocríticas e identificar o que pode ou não funcionar ao tentar criar uma ponte entre o produtor rural e as plataformas digitais: “É importante identificar a funcionalidade das coisas e ponderar a eficiência na hora de expor isso ao público. Como uma empresa que se encontra nessa linha digital, já testamos diversos softwares e programas para transformar a suinocultura”.

“Ela [a suinocultura] é parte essencial do agronegócio, setor que conduz a economia do nosso País, e entendemos que há certo conservadorismo e até mesmo problemas com conexão ou suporte”, frisa Faccin, ao justificar que, através da tecnologia, se torna cada vez mais fácil conectar profissionais de diversas partes do mundo, mas é importante saber fazer isso da forma correta. “Hoje, pela manhã, vi um seguidor do Instagram, com um computador dentro da granja. Ele acionou a alimentação automática das fêmeas e seguiu acompanhando o nosso evento”, exemplifica e comemora.

Temas para dentro e fora da porteira

A elaboração de uma agenda para evento setorial exige atenção redobrada para que se oferte conteúdo de qualidade e que chame atenção do público participante, uma vez que, de acordo com Jamil Faccin, é o coração de toda iniciativa do gênero.

“Trabalhamos a lista de palestrantes com o maior cuidado possível. Não é só o metaverso, o banner on-line, as postagens no Instagram que levam as pessoas aos eventos, e sim o conteúdo e a experiência que irão ter ao entrar em contato com ele”, afirma.

Para que essa lista ganhe tons de realidade, ele conta que o ponto nevrálgico da seleção é sempre entender quais são as dores das pessoas que trabalham na suinocultura, como o melhoramento do número de leitões somados a baixa do custo de produção, sanidade, Peste Suína Africana (PSA) e, também, os cuidados pessoais, indo além dos temas técnicos e setoriais.

Edição de 2022 contou com mais de 70 palestras, ao somar os três idiomas (Foto: Wisenetix)

“Há quem debata apenas sobre pontos técnicos. Nós vamos além e, também, falamos sobre as pessoas, sobre a saúde delas e a importância da gestão pessoal”, frisa, ao comentar também que, outro diferencial, é a retirada dos slides nas apresentações. A iniciativa tem como objetivo aproximar o participante do palestrante por meio do ato de narrar a história.

“Entendemos que as pessoas aprendem mais através das histórias dos outros – das experiências dos outros. Essa é uma forma de aprendizado muito eficiente, presente tanto nas apresentações técnicas quanto nas gerais”, pontua.

Para edição de 2023, que também contará com 24 palestrantes brasileiros, 12 nomes já se encontram em pré-seleção.

Além da suinocultura

Com o objetivo de ampliar a participação dentro do agronegócio verde e amarelo, a Wisenetix deixará de atender somente a suinocultura e passará a contar com ações voltadas para aves, gado de leite, gado de corte, aquacultura e grãos, sendo este o motivo da mudança de nome, deixando de utilizar Academia Suína.

Como destaca Faccin, “o time chegou em um ponto de excelência que ao mesmo tempo que considera sempre melhorar, é importante expandir”. “Já temos nos Estados Unidos podcast’s sobre avicultura e estamos trabalhando e gravando os primeiros episódios de um no mesmo setor no Brasil”, anuncia. Os programas contarão com participações de profissionais de referência.

Ainda segundo ele, a empresa está trazendo para o Brasil todo o modelo de negócios, que teve início na suinocultura e agora caminha nas demais áreas. “É a maneira que vemos o nosso crescimento orgânico, fazendo o que é o nosso – o coração da nossa empresa – que é levar conhecimento ao campo e impactar pessoas”, finaliza.

Patrocinado
Patrocinado