in

Altas temperaturas fortalecem Streptococcus

Monitoria e vacinação são essenciais para evitar prejuízos aos piscicultores

A chegada dos meses mais quentes do ano traz, também, alteração dos desafios sanitários enfrentados pela piscicultura. De acordo com o biólogo Paulo Ceccarelli Jr., coordenador técnico de vendas Acqua Sanphar/Ipeve, assim como em temperaturas mais frias a incidência da bactéria Francisella é maior, a chegada da temporada primavera/verão é ideal para o aparecimento de infecções causadas pela bactéria Streptococcus na criação de peixes. “As mudanças climáticas criam a necessidade de atenção redobrada por parte dos piscicultores. A realização de monitorias sanitárias periódicas permite não apenas a identificação do problema e os índices zootécnicos relacionados, como também quais são os sorotipos circulantes na temporada”, destaca Cecarelli Jr.

O especialista da Sanphar explica que as mudanças de sorotipos são influenciadas por diversos fatores, como aumento da temperatura das águas, o que provoca elevação das concentrações e acúmulo de gases tóxicos na água. Esse fator – além do aumento da densidade de peixes por área – provoca risco de estresse, o que diminui a imunidade do lote e provoca maior vulnerabilidade às doenças. “Esse tipo de bactéria só se expressa quando encontro condições favoráveis”, completa.

Ele afirma que, muitas vezes, as vacinas disponíveis podem não surtir o efeito esperado para proteção dos animais, já que seus antígenos são para cepas específicas. “Vacinas autógenas são produtos biológicos customizados e desenhados para cada desafio. Dessa forma, sempre que houver um novo desafio sanitário, as sementes vacinais são atualizadas para que se tenha a máxima eficiência do produto naquela propriedade”, finaliza o especialista da SANPHAR.

O Ipeve, laboratório de diagnósticos da Sanphar Saúde Animal, produz vacinas autógenas e oferece uma série de serviços, entre os quais um programa de gestão sanitária, que acompanha o desempenho dos animais, produção e demais índices zootécnicos, com monitoria periódica, conforme as necessidades de cada propriedade.

Fonte: A.I, adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

Produção feminina de churrasco veio para ficar

Recadastramento de pescadores é iniciado

Ariel Mendes fala sobre participação no COSAG

ABPA lavará agroindústrias brasileiras para Anuga

BRF prorroga inscrições para vagas de trabalho