in

Alta qualidade é desafio a ser enfrentado ao produzir leite

Marcos Veiga é professor da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia Universidade de SP

REPRODUÇÃO

Produzir leite com alta qualidade é um desafio, mas também uma grande oportunidade para o agronegócio do leite, pois é um dos fatores que afeta diretamente a produtividade, a rentabilidade e a competividade de todo o setor. Dentre os diferentes aspectos de avaliação da qualidade do leite, a contagem de células somáticas (CCS) é um dos principais. No mundo todo, a CCS é um dos indicadores mais usados para o monitoramento da mastite subclínica nos rebanhos leiteiros. Fazendas com alta CCS produzem leite com alterações da composição, o que reduz o rendimento de fabricação de derivados e a vida de prateleira dos produtos lácteos. Dentro da fazenda, as vacas com alta CCS produzem menos leite do que as vacas sadias, o que, associado aos maiores custos de tratamento, necessidade de medidas de controle da doença e maior risco de descarte prematuro das vacas infectadas, resulta em menor lucratividade das fazendas. Para exemplificar, vacas com alta CCS produzem de 1 a 3 kg/dia (primíparas e multíparas, respectivamente) menos leite que vacas sadias.

Estudo recente da equipe do Qualileite (FMVZ/USP), em parceria com o EDUCAMPO SEBRAE, avaliou os principais indicadores econômicos (receita, margem bruta e lucro), de acordo com a CCS média, de um conjunto de 543 fazendas leiteiras, em cinco diferentes regiões do estado de Minas Gerais, ao longo de três anos. O grupo de fazendas avaliadas apresentou média de 82 vacas em lactação e produção variando de 15,1 a 20,5 kg/vaca/dia. A maioria dos rebanhos (94,6%) apresentou CCS do tanque > 200 mil células/mL; 37,8 % teve CCS entre 200 e 400; 14,5% teve CCS entre 400 e 500; 25% teve CCS entre 500 e 750 e 17,3% teve CCS > 750.

A margem bruta média/ano das fazendas, por vaca em lactação, foi de $ 678 dólares (R$ 3593,40; 1 US$ = R$ 5,30) e o lucro por vaca foi de $ 227 (R$ 1203,10), quando a CCS do tanque foi < 200 mil células/mL (Gráfico 1). Assim, uma fazenda com 100 vacas em lactação e que produziu leite com CCS < 200.000 células/ml teve margem bruta anual de R$ 359.340,00, sendo 33,5% de lucro (R$ 120.310,00).

(Foto: reprodução)

Por outro lado, fazendas com CCS média de 500 mil células/mL apresentaram indicadores econômicos e de produção de leite significativamente menores, visto que o lucro observado foi de US$ 3,8 (R$ 20) vaca/ano. O impacto sobre a lucratividade foi ainda maior para as fazendas com média de CCS do tanque > 700 mil células/mL, as quais apresentaram indicadores econômicos negativos. Ainda foi possível observar, pela análise estatística, que fazendas com menos de 40 vacas em lactação (e com vacas de baixa produção, média < 15 L/d) tiveram menor receita, margem bruta e lucro, comparadas às com rebanhos com mais de 40 vacas em lactação.

Deve-se destacar que os resultados foram baseados em estudo de associação entre CCS média do tanque e indicadores econômicos das fazendas, o que significa que não é possível estabelecer relação direta de causa e efeito. No entanto, considerando essa ressalva, os resultados indicam que a redução da produção de leite e os demais prejuízos associados à alta CCS do tanque afetam negativamente a lucratividade das fazendas estudadas.

Situação da mastite no Brasil

Conhecer a atual situação da qualidade do leite no Brasil e nas fazendas é uma etapa essencial para identificar os pontos fortes, as fraquezas, as oportunidades e as ameaças para a competitividade do leite brasileiro. Essas informações podem também ajudar na avaliação das diferentes iniciativas feitas nos últimos anos, por várias entidades e segmentos da cadeia produtiva do leite, como o Programa Leite Mais Saudável, entre outros.

Além disso, um bom diagnóstico de situação também permite identificar as áreas críticas e oportunidades de melhorias, as quais devem estar no radar dos produtores, técnicos e indústrias. Contudo, o conhecimento mais detalhado da situação atual da qualidade do leite no Brasil e, em particular, da mastite bovina, é sempre um desafio, em razão do restrito acesso aos dados detalhados de CCS do tanque das fazendas ou por falta de dados sobre o perfil de agentes causadores.

Os dados mais recentes disponíveis sobre a CCS média do tanque Brasil são representativos de cerca de 237 mil rebanhos leiteiros, monitorados por cerca de 1000 laticínios com inspeção SIF, em 2018. A média de CCS de tanque das fazendas leiteiras do Brasil tem se mantido estável ao longo dos últimos anos, com valores próximos ao limite máximo estabelecido pela atual legislação (Gráficos 2 e 3; Anuário dos Programas de Controle de Alimentos de Origem Animal do DIPOA VOLUME 5 – 2019). Esses resultados indicam que, a despeito das iniciativas e da implantação de programas de melhoria, a qualidade média do leite, no quesito CCS, tem permanecido a mesma ao longo dos últimos anos, o que pode sugerir falta de percepção do produtor sobre os benefícios e oportunidades da melhoria da qualidade do leite, assim como indica a necessidade de maiores incentivos via programas de pagamento e capacitação, associados à maior fiscalização.

(Foto: reprodução)
(Foto: reprodução)

Com relação ao perfil de agentes causadores de mastite, o significativo crescimento dos sistemas de cultura na fazenda, como o sistema OnFarm – startup brasileira que desenvolveu um sistema para diagnóstico do agente causador, em 24h, na própria fazenda – tem permitido a construção de bancos de dados mais robustos, que podem ser usados para melhorar a análise da situação atual das principais causas da mastite.

Conceitualmente, a mastite é uma inflamação da glândula mamária, geralmente causada por infecções bacterianas. Sendo assim, conhecer os agentes causadores da mastite é etapa essencial para as fazendas, pois é indispensável para a definição das medidas de controle mais adequadas e as melhores decisões de tratamento de mastite clínica.

O sistema de cultura na fazenda é baseado na identificação da causa da mastite na própria fazenda, por meio do uso de meios de cultura específicos, que permitem a identificação dos microrganismos pelas características de coloração das colônias.

Conhecendo as principais causas da mastite:

Com base no banco de dados da OnFarm, durante o período de 2019 a agosto/2021, foram monitorados casos de mastite clínica e subclínica do total de 1823 fazendas leiteiras, distribuídas em 22 estados do Brasil. Desse total de fazendas, 53% estavam localizadas na região Sudeste, 35% na região Sul, 9% na região Centro-Oeste e 4% na região Norte/Nordeste (Gráfico 4). Esse conjunto de fazendas avaliadas tem boa representatividade dos principais sistemas especializados em produção de leite.

(Foto: reprodução)

Com base na amostragem de 460 fazendas, cerca de 35% tinham o alojamento das vacas em sistema de Compost Barn,32% em sistema semi-confinado, 15% em confinamento tipo Free-stall, 13% em pastejo e 5% em outros sistemas (Gráfico 5). Considerando os dados agregados entre 2019 e agosto/2021, foram analisadas 209 mil amostras, sendo que 117 mil foram de casos de mastite clínica (56%) e 92 mil amostras de mastite subclínica (44%).

(Foto: reprodução)

Com relação ao escore de gravidade dos casos de mastite clínica, 59% foram classificados como leves (quando somente há alterações no leite), enquanto 34% foram casos moderados (quando há alterações no leite e inchaço no quarto afetado) e 7% foram casos graves (quando ocorrem sintomas sistêmicos, entre os quais: perda de apetite, febre e desidratação. (Gráfico 6). Esses dados indicam que cerca de 93% dos casos de mastite clínica são leves e moderados, o que permite ao produtor aguardar 24 horas para realizar o teste de cultura na fazenda e, com base nos resultados da cultura, decidir sobre o melhor protocolo de tratamento a ser usado e a necessidade de uso, ou não, de antimicrobianos. Por outro lado, as vacas com casos graves de mastite clínica devem ser tratadas com protocolo adequado, imediatamente após o diagnóstico, pois correm risco de piora dos sintomas e, até mesmo, morte.

(Foto: reprodução)

É interessante notar que, entre as causas de mastite clínica grave, cerca de 40% são de bactérias Gram-positivas, o que indica que não é possível associar as características dos sintomas da mastite clínica com o tipo de agente causador da mastite (Gráfico 7).

(Foto: reprodução)

Do total de amostras de mastite clínica, não houve crescimento de microrganismos (resultado negativo) em 39,5% das amostras, enquanto 11,5% apresentaram crescimento de bactérias Gram-negativas, 42,7%de bactérias Gram-positivas e 1,6% de Prototheca/levedura.O nível de contaminação foi de 4,7%, o que sugere que essa metodologia, a despeito de ser usada nas condições e no ambiente da fazenda, apresenta boa segurança dos resultados, pois, quando ocorre contaminação durante a coleta ou nos procedimentos de inoculação da amostra, os resultados podem ser facilmente percebidos pelo crescimento de mais de dois tipos de microrganismos na amostra (Gráfico 8).

(Foto: reprodução)

Por outro lado, a ocorrência de 39,5% de amostras negativas (sem crescimento microbiológico) pode indicar que a vaca afetada foi capaz de eliminar a infecção antes da manifestação clínica, o que é conhecido como cura espontânea. Essa situação ocorre, pois, alguns grupos de bactérias, especialmente as Gram-negativas, como a Escherichia coli, podem ser eliminadas pelo sistema imune, nos casos leves e moderados. Além disso, outras razões para a ocorrência de resultados negativos é a presença de baixo número de bactérias na amostra de leite ou o não crescimento do microrganismo nos meios de cultura cromogênicos, por necessitarem de condições de incubação especiais, como o Mycoplasma bovis.

Quando excluídos os casos de mastite clínica grave (7%), o restante (93%) é composto por casos leves e moderados, dos quais os resultados agregados de amostras negativas e de bactérias Gram-negativas totalizaram cerca de 51%. Diferentes estudos científicos indicam que vacas com mastite clínica leve e moderada, com resultados de cultura negativos ou de bactérias Gram-negativas, não necessitam de tratamento com antibiótico imediatamente, pois a cura espontânea, nesses casos, é elevada, variando de 85 a 95%.

Por outro lado, vacas com mastite clínica causada por bactérias Gram-positivas necessitam de tratamento com antibióticos, cujo protocolo pode ser ajustado com relação à duração do tratamento, de acordo com o tipo de microrganismo identificado.

Quando se considera somente as amostras de mastite clínica com resultados positivos (excluindo-se as amostras negativas e as contaminações), foi verificado que os agentes mais frequentemente isolados foram Streptococcus agalactiae/dysgalactiae, Staphylococcus não-aureus e Streptococcus uberis. Com relação às bactérias Gram-negativas, Escherichia coli é o principal agente causador de mastite clínica (Gráfico 9).

(Foto: reprodução)

Com relação à mastite subclínica, do total de cerca de 93 mil amostras, os agentes mais isolados foram Staphylococcus não-aureus e Streptococcus agalactiae/dysgalactiae, enquanto as bactérias Gram-negativas foram pouco representativas. Um dos principais agentes causadores de mastite contagiosa, Staphylococcus aureus, foi isolado em 6,5% das amostras (Gráfico 10).

(Foto: reprodução)

A avaliação geral dos resultados de prevalência das principais causas de mastite subclínica, em conjunto com os dados médios de CCS do tanque previamente apresentados, indica a necessidade de melhoria de controle de mastite contagiosa, principalmente de Streptococcus agalactiae, cujo controle depende de programas baseados em testar, tratar e testar novamente, em associação às outras medidas de melhoria de rotina na ordenha, tratamento de vaca seca e descarte e segregação das vacas com mastite crônica. Por outro lado, os resultados de cultura na fazenda de amostras de mastite clínica indicam grande potencial de benefícios com a implantação de protocolos de tratamento seletivo, o que permite para as fazendas redução de custos de descarte do leite, uso mais racional de antibióticos e melhoria da qualidade do leite.

Fonte: Marcos Veiga, professor da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia Universidade de SP.

LEIA TAMBÉM:

Preços dos ovos apresentam recuo em São Paulo

Médico veterinário alerta sobre mastites

Palestra da JINC aborda carne cultivada

carne de hamburguer

MAPA propõe mudanças na identidade do hambúrguer

Agro

Forbes Brasil lista mulheres de referência no agro