in ,

Agricultor deve se atentar aos altos preços dos fertilizantes

Mauro Osaki, é pesquisador da área de Custos Agrícolas do Cepea

De olho nas condições climáticas e nas cotações agrícolas, os produtores brasileiros preparam-se para iniciar o plantio da safra 2021/22 a partir de setembro – após o encerramento do vazio sanitário contra a ferrugem da soja. Foram muitos os desafios para adequar o orçamento desta próxima safra, especialmente diante do cenário econômico instável do País e do mundo e, especificamente, dos expressivos reajustes nos preços médios dos agroquímicos. Nestes comentários o foco recairá sobre o caso dos fertilizantes nos mercados interno e externo.

No contexto internacional, as valorizações dos nitrogenados estiveram atreladas à menor produção chinesa destes fertilizantes. Quanto aos fosfatados, os valores foram impulsionados pelo início da taxação norte-americana sobre o produto proveniente do Marrocos, que é um grande produtor de fosfatados. Assim, os produtores dos Estados Unidos estão buscando se abastecer em outras origens.

De janeiro a julho de 2021, o valor médio da tonelada de ureia prill negociada nos principais portos do mundo ficou 60,3% acima do registrado no mesmo período do ano passado. O preço médio da tonelada da ureia no porto ucraniano (Yuznhy) em julho, inclusive, foi o maior, em termos nominais, desde julho de 2012.

Também entre janeiro a julho deste ano, o preço médio do MAP (fosfatado monoamônico) negociado nos portos de Casa Blanca (Marrocos) e de São Petersburgo (Rússia) ficou 96,3% superior ao do mesmo período de 2020. Para este insumo, foram observadas fortes valorizações nos dois primeiros meses de 2021. Em julho, especificamente, a cotação média da tonelada do MAP no porto russo foi a maior desde outubro de 2008, em termos nominais.

Quanto ao cloreto de potássio, um forte reajuste foi observado mais recentemente. De junho para julho, o preço do cloreto de potássio disparou, com forte avanço de 39,6% no porto de Vancouver (Canadá). Essa valorização se deve à medida restritiva da União Europeia aplicada à Bielorrússia, aprovada no final de junho, que inclui a proibição da venda, fornecimento, transferência ou exportação via direta ou indireta de vários bens (equipamentos, softwares, equipamentos militares, etc.), produtos petroquímicos e cloreto de potássio. Vale lembrar que Bielorrússia é responsável por pelo menos com 1/5 da produção mundial de cloreto de potássio, sendo o segundo maior produtor do mundo. De janeiro a julho de 2021, o preço médio do cloreto de potássio no porto de Vancouver ficou 26,9% acima do observado no mesmo período de 2020. Em julho, o valor médio foi o maior nominal desde dezembro de 2012.

Diante disso, agentes nacionais e internacionais estão atentos à intervenção do governo chinês sobre as vendas de fertilizantes, à relação política entre Bielorússia e a União Europeia e também ao novo avanço de casos de covid-19 em muitos países. Na China, empresas de fertilizantes estão sofrendo pressão do governo para suspender temporariamente a exportação, visando a garantir o abastecimento doméstico. A intervenção do governo chinês no mercado, por sua vez, tem como objetivo conter a alta de preços dos fertilizantes no país. A China é a maior produtora e consumidora de nitrogenado e fosfatado, mas também é uma grande exportadora dos dois produtos.

No Brasil (considerados todos os estados acompanhados mensalmente pelo Cepea), a média de janeiro a julho deste ano do preço da tonelada da ureia subiu 58,4% frente ao mesmo intervalo de 2020, atingindo, em julho, o maior patamar nominal desde outubro de 2008 nos estados do Paraná e de Mato Grosso. No caso do MAP, a cotação média da tonelada do período avançou significativos 90,3% na mesma comparação, com os preços de julho sendo os maiores desde novembro de 2008 em Mato Grosso e no Paraná. A tonelada do cloreto de potássio se valorizou 52,4% na parcial deste ano frente ao mesmo período de 2020, com o insumo comercializado em julho ao preço mais alto desde agosto de 2009 em Mato Grosso e no Paraná.

Diante disso, simulações realizadas pelo Cepea mostram que o gasto médio orçado com fertilizantes para a produção de soja e de milho verão na safra 2021/22 deve subir 50,1% e 55,4%, respectivamente, frente ao da temporada anterior (2020/21). Para o milho segunda safra, feijão, arroz irrigado e trigo, são estimados aumentos nos gastos médios com fertilizantes de 2020/21 para 2021/22 das ordens de 53%, 65,2%, 68,2% e 71,1%, respectivamente.

Outros dois importantes itens na composição de custo de produção também apresentaram avanços. No caso dos defensivos agrícolas, a elevação estimada de gastos da safra 2021/22 foi de 3% para a produção de trigo, de 6,7% para o milho verão, de 9% para o feijão, de 11,1% para o arroz irrigado, de 11,2% milho segunda safra e de 12,5% para a soja. Nos casos dos gastos com diesel e com a manutenção preventiva das máquinas, foram calculadas elevações de 10,3% para a produção de soja na safra 2021/22, de 10,5% para o milho verão, de 15% para o milho segunda safra, de 11,9% para o trigo, de 15,4% para o feijão e de expressivos 21,1% para o arroz irrigado, também da safra 2021/22 em relação à anterior.

Diante dos aumentos nos gastos com os fertilizantes, defensivos agrícolas, diesel, com a manutenção preventiva das máquinas e também de outros itens, a estimativa do orçamento total de produção para a safra 2021/22 cresceu, sendo a maior alta a calculada para a soja, de 32,9%. No caso do trigo, o incremento nos custos de produção calculado pelo Cepea foi de 31,6%; para o milho verão, de 30,9%; para o milho segunda safra, de 28,7%; para o arroz irrigado, de 20,1%; e, para o feijão, de 16,1%. A propósito, esses custos podem registrar novos avanços no decorrer desta safra 2021/22, dependendo muito do clima e de incidências de pragas e doenças nas lavouras, do comportamento da taxa de câmbio (dólar) e dos preços das matérias-primas dos agroquímicos e do petróleo nos países produtores.

Artigo foi publicado, originalmente, no dia 31 de agosto. Conteúdo também pode ser encontrado no site oficial do Cepea. Clique aqui.

PorkExpo 2022 contará com sessão gastronômica

FOZ DO IGUAÇU

Foz do Iguaçu se torna destino turístico halal