in

Abertura da Fenacam’18 abre espaço para reflexões

Qualidade, produção e sanidade: porque o Brasil ainda não está à frente?

Qualidade, produção e sanidade: porque o Brasil ainda não está à frente?

Gabriela Salazar, de Natal (RN)

[email protected]

O presidente da Feira Nacional do Camarão (Fenacam), Itamar Rocha, foi o primeiro a falar na cerimônia de abertura da 15ª edição do encontro, que acontece no Centro de Convenções de Natal até a próxima sexta-feira (16). Entre as palavras do líder, que faz parte da organização há anos, estiveram expectativas para o evento e pontos de reflexão sobre a carcinicultura brasileira.

O presidente destacou o desempenho de países como Equador e Vietnã em exportações de camarão, reforçando o baixo desempenho nacional em relação a esse tema. Segundo Rocha, isso se deve à desvalorização do setor pesqueiro, e ainda pontou medidas que podem ser adotadas.

Uma oportunidade de crescimento vista pelo organizador é a China, segundo maior importador de camarão do mundo. “Os chineses querem aumentar o consumo atual de pescado, passando dos 44 kg já consumidos para 60 kg per capita. A indagação imediata sem resposta é: quem vai alimentar?”, questiona. Para Rocha, o Brasil está preparado para atender essa demanda, mas deve se atentar aos pontos fracos. “O País precisa superar urgentemente as equivocadas políticas ambientais”, salienta.

A reflexão proposta pelo organizador pode ser respondida durante as apresentações realizadas nos três dias de evento. Ao todo serão 36 palestras voltadas inteiramente à aquicultura e carcinicultura. Para dar uma dimensão ainda maior do futuro, diversos temas serão apresentados por profissionais de outros países que abordarão temáticas fundamentais para o desenvolvimento do setor.

A solenidade de abertura também contou com a participação de importantes nomes da atividade. Entre os presentes na mesa durante a solenidade de abertura estiveram o governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria; o presidente da Associação Brasileira de Criadores de Camarão, Cristiano Maia; o secretário da Agricultura, da Pecuária e da Pesca, Guilherme Saldanha, entre outros.

O governador do Estado ressaltou a importância da união entre o setor público e privado para expandir a atividade. O dirigente foi homenageado com uma placa de gratidão por parte dos carcinicultores, premiação que fez menção aos trabalhos já realizados por Faria para o setor.

A cobertura completa do evento será publicada nos próximos dias no portal feed&food e na próxima edição da revista feed&food.

Intercorte encerra 2018 com evolução

aquicultura

O que a aquicultura espera do novo presidente?