Patrocinado
BOVINOCULTURA

Conteúdo

Abate de bovinos registra novo recorde

Enquanto o de machos subiu 5,5%, o de fêmeas aumentou 24,6%
feedfood
FOTO: REPRODUÇÃO

O abate de bovinos no Brasil registrou um novo recorde no terceiro trimestre de 2023, com alta de 12,2% em relação ao mesmo período do ano anterior, para 8,93 milhões de cabeças. Na comparação com o segundo trimestre deste ano corrente, foi verificado um crescimento de 5,5%. 

As informações foram divulgadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a partir dos dados das Pesquisas Trimestrais do Abate de Animais, do Leite, do Couro, e da Produção de Ovos de Galinha. O início da série histórica foi iniciada em 1997.

De acordo com o supervisor da pesquisa, Bernardo Viscardi, há um crescimento no abate de machos e, principalmente, de fêmeas.

“Entre 2019 e 2022, com o aumento do preço dos bezerros, os criadores passaram a reter as fêmeas. A partir do primeiro trimestre de 2023, houve a retomada do abate desses animais e a entrada dos bovinos reproduzidos naquele período no mercado, indo para os frigoríficos”, explicou Viscardi.

FOTO: REPRODUÇÃO
Há um crescimento no abate de machos e, principalmente, de fêmeas (FOTO: REPRODUÇÃO)

O abate de fêmeas aumentou 24,6%, enquanto o de machos subiu 5,5%, na comparação com o mesmo período de 2022. 

A produção de 2,38 milhões de toneladas de carcaças bovinas no terceiro trimestre de 2023 correspondeu a expansão de 10% ao mesmo período do trimestre do ano passado e de 8,3% em comparação com o segundo trimestre deste ano.

Contudo, a aquisição de peças de couro pelos curtumes subiu 9,2% na comparação anual e 4,6% na trimestral, com 8,84 milhões de peças inteiras de couro cru.

Fonte: Globo Rural, adaptado pela equipe FeedFood.

LEIA TAMBÉM:

PIB do agro tem avanço acumulado de 0,5% em 2023

Ações brasileiras são destaque nas Conferências da FAO

Uso de tanino reduz emissão de GEE em 17% na pecuária