Pesquisar
Close this search box.
Patrocinado
EVENTOS

Conteúdo

“2022 vai ser um ano de reequilibrar preços”, pondera Grupo Mantiqueira

feedfood
FOTO: REPRODUÇÃO

Wellington Torres, de casa

wellington@ciasullieditores.com.br

Assim como em todo início de ano, estimativas para os mais diversos mercados produtivos são divulgadas. Esse tipo de iniciativa tem como objetivo auxiliar produtores e preparar consumidores para o mais novo ciclo.

Neste cenário, um levantamento realizado pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) expecta crescimento de 3% – em relação a 2021 – para o mercado nacional de ovos. A porcentagem é equivalente a 56,2 bilhões de unidades da proteína.

Para entendermos melhor essa mudança – assim como outras também estipuladas pela ABPA – conversamos o diretor Comercial do Grupo Mantiqueira, Murilo Pinto. Segundo o profissional, direto de Los Angeles, a estimativa de crescimento ainda é baixa e pode nem acontecer.

“Vai um pouco na contramão do que temos visto nos últimos anos, inclusive em sentido de aumento de consumo. A grande questão é que, com o aumento do Dólar, boa parte da nossa produção nacional de milho e soja começou a ser exportada com mais intensidade, o que gerou inflação no mercado interno”, explica o diretor, ao pontuar que o cenário teve início em meados do segundo semestre de 2020 e se consolidou em 2021.

Os grãos, que de acordo com ele dobram de preço, são insumos de extrema importância para a produção avícola. “Isso é muito significativo e tem aumentado muito o custo de produção das proteínas animais no mercado brasileiro, visto que, essa indústria nada mais do que converte o vegetal para o animal”, salienta.

Para ele, no caso do ovo, “o milho e a soja chegam a representar 70% do custo de ração. “Esse custo representa 30% do gasto total dentro da empresa, ou seja, [os grãos] mexem muito o ponteiro do nosso negócio”, destaca Pinto.

Portanto, o repasse que está sendo feito na ponta final, com aumento de preço de 20% a 30%, faz com que muitas empresas parem ou reduzam os trabalhos com o setor de ovos: “2022 vai ser um ano de reequilibrar preços, pois deve haver um aumento para o consumidor, estabilizando a cadeia, o que reduzirá a oferta. O consumo deve manter os patamares, pois ainda que subam os preços, a proteína é muito mais barata que a carne vermelha, por exemplo”, analisa o profissional.

Produção e consumo de ovo em território brasileiro

Ao unir questões de saudabilidade e custo-benefício, o ovo se mostra um dos produtos mais interessantes e competitivos para compor o prato do brasileiro. Como prova disso, o mesmo levantamento realizado pela ABPA aponta o consumo per capita para este ano em 262 unidades.

Sobre o assunto, Murilo faz um comparativo com os últimos anos. “Também é um cenário bem diferente do que viemos vivendo nos últimos 10 anos, do qual saímos de 148 para 250 unidades por ano. Em alguns anos crescemos de 10 a 20%. No cenário atual, a questão estará ligada a menor oferta”, alerta.

Quando questionado como o grupo Mantiqueira se portará frente às mudanças pautadas, o profissional comenta que, o plano a longo prazo, está ligado às novas unidades. “Estamos construindo uma nova unidade em Formosa (GO) e outra no interior de São Paulo. Ambas na linha cage-free, a qual os animais são livres de gaiola, visando ter mais produtividade, tecnologia e segurança alimentar na produção de ovos”, comemora, ao reforçar que a unidade do interior paulista não é a única da região.

Como prova do bom-desempenho do Grupo, em janeiro atingiram a marca de um milhão de aves livres de gaiola. “Isso estava dentro do compromisso que assumimos no final de 2019, do qual todo o nosso crescimento iria ser nesse modo de produção”, ressalta.

Perante as exportações, setor que deve apresentar crescimento de 6,5%, com 10,2 mil toneladas embarcadas em 2022, o Grupo Mantiqueira pauta maior participação. “Com a alta do Dólar, voltamos a exportar mais – antes embarcávamos apenas 1% da nossa produção, em 2021 enviamos entre 8 e 20%, com média de 10% ao ano”.

Como Relembra Murilo, a participação do Grupo na exportação brasileira de ovos in natura correspondeu a mais de 70% no ano anterior “e estamos mantendo um bom montante neste início de 2022, como mostram os meses de janeiro e fevereiro”. “Porém, acredito que haverá algum equilíbrio ao longo do ano, com a melhoria do mercado interno e com a baixa do Dólar, resultando numa desaceleração nos embarques”, complementa.

O bom-desempenho nos mercados interno e externo, de acordo com ele, reflete os pilares do Grupo Mantiqueira: Qualidade, segurança alimentar, bem-estar animal e serviço. “Assim como no passado qualquer carne era carne e ninguém se preocupava com avaliações, isso mudou e também tem acontecido com o mercado de ovos. Atualmente as pessoas reparam mais na consistência da clara e da gema, por exemplo, pois quanto mais você consome um produto, mais tende a reparar nele. Essa qualidade começa desde a soja, a ração, a dieta definhada aos animais – para cada idade –, o bem-estar animal e o serviço. A Mantiqueira visa atender da melhor forma possível o consumidor final”, finaliza.