in

SC reforça importância do cultivo de cereais de inverno

Objetivo dos órgãos do Estado é diminuir a dependência do milho na produção de ração

AGRO

A busca por alternativas para a produção de ração animal é o foco do Estado de Santa Catarina que vem investindo nos cereais de inverno. O objetivo é diminuir a dependência do milho e, consequentemente, os custos de produção.  A Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural pretende reforçar o apoio para o plantio de trigo, triticale e cevada.

O tema foi debatido durante reunião realizada no início da semana entre o secretário Altair Silva e o presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), Losivanio de Lorenzi.

O incentivo para produção de cereais de inverno vem complementar outras ações desenvolvidas pelo Governo do Estado para aumentar o fornecimento de insumos. Santa Catarina trabalha para viabilizar a Rota do Milho, trazendo o grão do Paraguai diretamente para o Oeste, além de executar o Programa Terra-Boa, que apoia a produção de milho de alta qualidade.

A Secretaria da Agricultura já desenvolve um Projeto de Incentivo ao Plantio de Cereais de Inverno,  que pretende ampliar em 120 mil hectares a área plantada com esses grãos no estado. “Nesse momento, por exemplo, os suinocultores independentes passam por dificuldades devido à elevação nos preços do milho e ao alto custo de produção. Os grãos de inverno podem se tornar uma alternativa importante para os produtores e para o agronegócio catarinense. A ACCS será uma grande parceira para desenvolvermos a produção estadual”, destaca Altair Silva.

“Esse ano teremos dificuldades para importação de mais de 5 milhões de toneladas de grãos e precisamos buscar alternativas, ocupando as terras paradas no inverno. Os cultivares de inverno também podem ser utilizados na fabricação de ração para suínos. Outra medida importante é a abertura da Rota do Milho, precisamos que o milho chegue em Santa Catarina com um custo menor”, explica o presidente da ACCS, Losivanio de Lorenzi.

Fonte: A.I.

EMPRESA

Faesp defende renovação de convênio interestadual

Fim do auxílio emergencial pode impactar setor lácteo