in

Mapa da suinocultura será norte para estabelecimento de políticas públicas

Levantamento inédito da ABCS e Sebrae Nacional deve ampliar horizontes

Luma Bonvino, de São Paulo (SP)

[email protected]

Reunindo lideranças associativistas, produtoras e empresárias, a Associação Brasileira dos Produtores de Suínos (ABCS, Brasília/DF) e o Sebrae Nacional (Brasília/DF), em parceria com a Markestrat (Ribeirão Preto/SP), empresa especializada em estudos de segmentos agroindustriais, lançaram um conteúdo inédito qualificado como um raio-x da atividade suinícola do Brasil e suas contribuições sociais e econômicas. Em São Paulo (SP), o encontro de hoje (29) contou com o apoio e engajamento de diversas associações, como ABPA, Sindan, Sindirações e CNA, além da parceria institucional do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e Embrapa.

Conquista da união da cadeia, a publicação traz da produção ao consumo e revela a importância de cada elo da cadeia. A publicação bilíngue (português/inglês), de mais de 340 páginas e disponível no site da entidade, prevê ampla divulgação que alcance desde a sociedade como um todo, enquanto público final, até as mais altas reuniões do setor, como o Congresso Mundial do Agronegócio.

“Em 2016, a ABCS avançou sua atuação no campo e na indústria, no marketing e no setor político. E, para que esse trabalho continue a crescer, entregamos agora esse estudo que fornece uma radiografia fiel e atualizada de toda a cadeia produtiva, cujos resultados surpreendem a todos, sendo ainda uma ferramenta de grande utilidade nas mãos de todos os envolvidos”, afirma o presidente da ABCS, Marcelo Lopes.

Segundo ele, até então o setor não possuía números exatos da suinocultura e se fazia necessário algo mais concreto para batalhar especialmente por políticas públicas. Inspirados no trabalho desenvolvido pela Markestrat em outras cadeias, como cana-de-açúcar e citros, uma ideia que já era abordada desde 2014 tomou corpo com informações sólidas. “Com dados, poderemos voltar a exigir o preço mínimo da carne suína que foi anteriormente aprovado pela Câmara e rejeitado pela ex-presidente. O processo volta para a estaca zero, mas, como isso já tramitou nas comissões, sabemos o caminho e, segundo o Deputado Covatti Filho, já há uma ‘pré-aprovação’ do ministro do MAPA, Blairo Maggi, o que é de grande importância”, discorre Lopes.

Entre os objetivos de elaboração de material, estão tópicos com identificar os principais negócios inseridos na cadeia produtiva; estimar movimentação financeira ao longo da cadeia em 2015, pontuar o PIB gerado pelo setor; calcular o número de empregos e massa salarial em 2015; prever arrecadação de impostos gerada pela cadeia e identificar a distribuição de granjas e animais por modelo de negócio – independente, cooperado e integrado – nos diferentes Estados.

Para concluir essas aspirações, foram 6 meses de trabalho, com 7 pesquisadores dedicados, 12.731km rodados, 42 entrevistas com suinocultores, 17 entrevistas com especialistas e associações, 6 entrevistas com frigoríficos, 2 workshops de trabalhos e revisão e minutos a fio de ligações telefônicas para coleta de dados.  “Isso não é um censo, não identificou individualmente as propriedades, mas sim buscamos inúmeras fontes de órgãos públicos e empresas privadas e sinalizamos as instalações mapeadas por essas diversas empresas. Assim, acreditamos ter colocado no mapa grande parte da produção tecnificada”, cita o diretor-Executivo da ABCS, Nilo de Sá.

Dessa junção de informações, alguns números foram ressaltados. A suinocultura brasileira registrou, em 2015, o Produto Interno Bruto (PIB) de R$ 62,57 bilhões e gerou 126 mil empregos diretos e mais de 900 mil indiretos.  Além disso, o País registrou um plantel reprodutivo de mais de 1,7 milhão de matrizes tecnificadas; o abate de 39,3 milhões de animais e uma movimentação de R$ 149,86 bilhões em toda a cadeia produtiva. De acordo com o sistema de produção, a suinocultura independente representa 38% da atividade, cooperativas 23% e integração 39%.

“Há muito por fazer e o Sebrae tem interesse em continuar auxiliando porque entende e reconhece a importância de levar aos suinocultores uma visão cada vez mais aprimorada de negócios, além de mecanismos que possam fazer os pequenos produtores ascender resultados positivos”, frisa o  gerente da Unidade de Atendimento Setorial Agronegócios do Sebrae, Augusto Togni. De acordo com ele, “poderemos e deveremos desenvolver políticas mais bem direcionadas e concretas com essa publicação”.

E, de fato, é esse um dos principais desafios da agenda do setor, como pode ser visto abaixo:

Desafios e agenda estratégica na suinocultura

  1. Reduzir custos de produção e transação;
  2. Aprimorar políticas públicas;
  3. Disponibilizar linhas de créditos acessíveis;
  4. Criar um seguro rural efetivo;
  5. Abrir novos mercados internacionais;
  6. Fomentar o mercado interno;
  7. Aderir ao smart farming;
  8. Continuar evoluindo em termos de sanidade;
  9. Investir em bem-estar animal;
  10. Ampliar os investimentos em marketing de alimentos

“Considero primordial e vem ao encontro de objetivos do trabalho a definição de políticas públicas que possam reduzir a oscilação da rentabilidade da atividade. Ficou claro nesse ano de dificuldade que, caso elas existissem – como estoque regulador de milho; subvenção econômica quando o custo de produção ultrapassa o de comercialização – a atividade não teria sofrido nessa gravidade”, pontua Nilo que adiciona: “Na prática, queremos ter as políticas públicas para, quando necessitar, tenhamos suporte. Não adianta esperar ficar ruim pra brigar porque, muitas vezes, já é tarde.”

Presença de lideranças. Durante o evento, parceiros que ajudaram na execução do projeto estiveram presentes. Covatti Filho, líder da frente parlamentar da suinocultura, acredita que esse mapeamento ajuda exigir e cobrar postura do governo federal. “Nosso atual desafio é criar o preço mínimo da carne suína e com esse levantamento podemos chegar nas autoridades e exigi-lo frente aos números de arrecadação e PIB, ou seja, isso fortalece a atividade”, diz e adiciona que, além do conteúdo atuar como facilitador, Blairo Maggi também é a favor da medida.

Os sindicatos, Sindirações, representado por Ariovaldo Zani, e Sindan, presente por meio de Cherla Romeiro, também apoiadores da iniciativa, valorizaram a mobilização da equipe ABCS: “A maioria das organizações não teria sobrevivido sem dados de qualidade. Até hoje, sobrevivemos, mas partir daqui temos uma base de dados de qualidade para os prósperos próximos anos”, resume.

Mancha Branca: o vilão da vez na carcinicultura pode trazer evolução

Brasil percorre caminho da pecuária sustentável e passos estão ascendentes