14/11/2017 ANÁLISE DE MERCADO

Para confinador, nos negócios “o olho do dono engorda o gado”

Sérgio Przepiorka vê espaço para aumento do preço do boi gordo

Profundo conhecedor da pecuária de corte e experiente confinador, Sérgio Przepiorka, 60 anos, está na atividade desde 1977. Ele é afiliado da Associação Nacional da Pecuária Intensiva (Assocon, São Paulo/SP) e já foi o diretor da entidade durante cinco anos, na gestão de Eduardo Moura. Nesse período, ele destaca as lutas pelos interesses dos produtores rurais e pela implementação de melhorias para a cadeia produtiva, a fim de gerar representatividade para a pecuária de corte.

Para o produtor, o ditado que diz “o olho do dono engorda o gado” tem um significado especial. Ele pontua que a receita para o sucesso na atividade é a participação em todas as áreas do negócio. Afinal, a diferença entre o lucro e o prejuízo está nos detalhes. “Acompanhar o mercado, buscar informações nos eventos técnicos e estar antenado nas cotações é a lição de casa de todo pecuarista. Mas o que faz o nosso negócio prosperar é a persistência na realização de um bom trabalho e na frequência com que acompanhamos tudo de perto, analisando o dia a dia da fazenda”, comenta Sergio Przepiorka.  

confinamento_boi_pecuaria_reproducao-1505419965

Przepiorka tem duas propriedades rurais em Rancharia, a 525 km da capital de São Paulo. A mais antiga é a fazenda Laredo, constituída em 1990, destinada ao semi confinamento (Foto: divulgação)

Sobre o momento da pecuária de corte, o profissional confia que há espaço para os preços do boi gordo crescerem até o fim do ano. “O preço médio da arroba em São Paulo está em torno de R$ 140,00. Acho que pode chegar a R$ 148,00 em dezembro, com alta estimativa em 6%. Em 2018, esperamos que o mercado se recupere e os preços dos insumos se estabilizem. Com as exportações em alta, creio que só será preciso ajustar a oferta e a demanda para ir em frente”, analisa.

O pecuarista também faz questão de destacar a importância das ações de entidades, como a Assocon, que atuam em prol do fortalecimento da pecuária intensiva e dos produtores rurais. “A Assocon está envolvida em muitas ações positivas para a atividade. Além da mudança de estratégia, a sede em São Paulo facilitou muito a aproximação com o mercado e colaborará para uma grande evolução da cadeia pecuária”, conclui Przepiorka.

Fonte: A.I., adaptado pela equipe feed&food.