10/11/2020 SAÚDE ANIMAL

Tratativa de Salmonella exige atenção contínua

Pesquisadora pontua onde Brasil se encontra e para onde precisa caminhar so

Valeria Campos, da redação

valeria@ciasullieditores.com.br

 

Tema bastante discutido, o controle de Salmonella é prioridade na pauta da agroindústria. Isso porque os desafios nos sistemas são diversos e constantes, e não há uma única fórmula para contornar os problemas. Para tanto, a atenção deve estar em todas as fases da cadeia produtiva e as ações precisam ser realizadas em conjunto: "Uma andorinha não faz verão neste tema", enfatiza a pesquisadora da Embrapa Suínos e Aves, Jalusa Deon Kich.

 Para ela, este assunto necessita de uma ação corporativa, envolvendo todos os elos, para que seja possível trabalhar dentro de uma perspectiva mais abrangente, pois a eficiência, ou seja, o impacto de ações corretivas ao longo da cadeia depende da epidemiologia, dinâmica da contaminação e prevalência: "Então, existem vários fatores. E o que eu quero dizer? Existem medidas que podem ser realizadas, mas ficam mascaradas quando há um nível de contaminação muito alto, por exemplo", explica.

 Pela leitura da pesquisadora, as produções brasileiras precisam iniciar as ações de controle de Salmonella em carcaças de suínos, em função da IN60 de 2018 do MAPA e IN60 de 2019 da Anvisa; sendo a primeira voltada para a contaminação de carcaça e a segunda para o produto final. "Elas acabam se relacionando, pois o resultado final depende da qualidade da matéria-prima", conta Jalusa. Portanto, ela destaca, é preciso ter um ajuste muito forte dentro do frigorífico.

Leia a matéria completa na edição de novembro da revista feed&food, clicando aqui.