in

Desempenho na produção de leite é debatida

Nutrição adequada é chave apontada por especialistas

vacas
A Holstein dairy cow on a dairy farm in Northern Ireland. This farm produces quality milk for consumers in the United Kingdom and further afield.
Nutrição adequada é chave apontada por especialistas

Segundo estudo da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE), pelo menos 20% da produção animal é perdida anualmente devido a doenças, representando cerca de 60 milhões de toneladas de carne e 150 milhões de toneladas de leite, o equivalente a aproximadamente US$ 300 bilhões¹. Para responder a esta e outras questões mundiais atuais, a Royal DSM, empresa global baseada em ciência para Nutrição, Saúde e Vida Sustentável, por meio do seu negócio de Nutrição e Saúde Animal, criou a iniciativa We Make It Possible (“Nós tornamos isso possível”, em português). A empresa quer com isso liderar uma transformação mundial robusta e realizável na produção sustentável de proteína animal, e acelerar soluções que promovam um futuro mais sustentável.

A iniciativa da DSM está alinhada com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU – Organização das Nações Unidas – e destaca seis importantes plataformas de sustentabilidade, sendo uma delas: “Aprimorar o desempenho dos animais ao longo de sua vida útil”. Essa proposta está engajada com a meta 2.3.1 da ONU, que visa alcançar o dobro da produtividade média dos produtores de alimentos até 2030. O objetivo ao trazer esse tema é o de chamar a atenção dos envolvidos na cadeia de produção para a necessidade de aprimorar o desempenho dos animais durante sua vida útil e ao mesmo tempo reduzir a incidência de doenças, gerando economias significativas com grande impacto positivo na sustentabilidade.

“A saúde animal impacta na manutenção e no equilíbrio ambiental. O aumento da capacidade produtiva na produção animal, demanda que deverá crescer cerca de 70% até 2050, amplia a necessidade de alto desempenho dos animais e, consequentemente, dos cuidados com o bem-estar e a saúde das espécies”, afirma Augusto Adami, Vice-presidente do de Nutrição e Saúde Animal da DSM para a América Latina. Nesse sentido, a DSM destaca que é necessário a inclusão de vitaminas e minerais na dieta dos animais, de acordo com a necessidade de cada espécie. Para isso, a companhia criou o conceito Optimum Vitamin Nutrition™ (OVN)™ uma linha de pesquisa que analisa a suplementação vitamínica sob a perspectiva de aumento do desempenho do animal e da produção. Por meio do OVN™ o produtor tem acesso a uma linha completa de vitaminas de alta qualidade nas quantidades certas e proporções compatíveis ao estágio de vida e condições de crescimento dos animais.

Vacas mais saudáveis, ganhos de produtividade e menor impacto ambiental

As vacas leiteiras podem adquirir graves problemas de saúde que interferem nas taxas de substituição do animal no rebanho e na sua longevidade como, por exemplo, a claudicação. Neste contexto, a DSM propõe o suplemento vitamínico ROVIMIX® Biotin, solução à base de biotina que melhora a qualidade e a resistência dos cascos ao mesmo tempo que reduz a probabilidade de problemas associados à claudicação.

Outra preocupação clínica na produção leiteira é a mastite que tem impacto direto na lucratividade do produtor, resultando na incapacidade das vacas se alimentarem, na perda de leite e na diminuição da fertilidade. O suplemento de vitamina E, ROVIMIX® E50, ajuda nesse cenário, atuando no sistema imunológico da vaca, diminuindo a taxa de infecção inflamatória no parto em até 80%, bem como na redução das infecções do úbere e a duração da mastite em até 50%, gerando aumento da produção de leite, com menos perdas e melhor rentabilidade da fazenda.

Sob a perspectiva sustentável, a DSM entende que é necessária uma boa gestão da saúde animal para gerar menos impacto ambiental. “Trabalhamos com soluções de alta tecnologia para ajudar no desenvolvimento econômico e sustentável do setor, promovendo saúde para os animais e redução de emissões, com otimização do uso dos recursos naturais e maior produtividade”, afirma Verônica Lopes, médica-veterinária e coordenadora da categoria Gado de Leite da área de Ruminantes da DSM no Brasil. Neste contexto, a companhia cria alternativas que contribuem para a maior longevidade das vacas de leite nos sistemas produtivos e maior produção em cada ciclo de vida.

Programa Qualidade do Leite Começa Aqui

Desde 2012, a DSM reconhece e premia produtores de leite que atingem altos níveis de qualidade através do uso das tecnologias DSM. “Produzir leite de maneira segura, com alto teor de proteína e gordura, e com baixo nível de células somáticas é um dos principais desafios da pecuária leiteira brasileira. No entanto, a mudança de comportamento dos consumidores tem atraído cada vez mais produtores para o Programa na busca de melhorar a nutrição e a qualidade dos seus produtos”, afirma Verônica Lopes.

Por meio de um banco de dados, a DSM analisa os níveis de proteína, gordura e células somáticas (CCS) e dá suporte aos produtores participantes do programa na melhoria desses índices. Com métodos nutricionais preventivos e não medicamentosos, como as vitaminas D e E, biotina e betacaroteno, é possível aumentar as taxas de reprodução das vacas, melhorar a saúde, reduzir o índice de dermatite digital e mastite clínica, bem como ajudar a deixar os cascos mais robustos e úberes mais saudáveis. Isso tudo contribui para aumentar o rendimento e a qualidade do leite e, ao mesmo tempo, reduzir em 50% a perda do leite durante o tratamento com antibióticos. Até agora, mais de 20 mil fazendas já participaram do Programa Qualidade do Leite Começa Aqui com mais de 1,2 milhão de vacas em lactação.

Fonte: A.I.

What do you think?

0 points
Upvote Downvote

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

Comments

0 comments

podcast

Royal DSM lança podcast “Alimentando o Futuro”

Como tornar o setor leiteiro mais justo?